Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

03 Set, 2008

Tantos mentirosos

 

Mentir tornou-se tão vulgar que até já não nos surpreende minimamente, se é que já não podemos passar sem as matracas que todos os dias nos anunciam umas tantas novidades de nos deixar de boca aberta.
Ainda há uns tantos senhores mentirosos que põem processos em tribunal quando são eles os visados, mesmo que algumas mentiras tenham um fundo de verdade. Porém, já se tornou evidente que quem tem algum juízo não liga nenhuma às atoardas que lhes atiram para cima, certos de que quanto mais mexem na coisa, maior é o pivete que se sente no ar.
Uns dizem que os cães ladram enquanto a caravana passa. Outros preferem ser mais comedidos e, encolhendo os ombros, murmuram apenas que o melhor é deixá-los falar, pois quando se fartarem acabam por calar-se. Certo é que nos dias que correm é preciso ter muita paciência para esperar pelos desmentidos de tudo o que ouvimos directamente da boca dos mentirosos, ou das citações que aparecem abundantemente nos jornais, na rádio, na televisão ou na internet.
Porém, os desmentidos já nunca têm o destaque, nem o impacto, das mentiras, sendo que estas ainda são largamente salientadas após os desmentidos. A mentira é uma peça jornalística que facilmente ganha uma medalha de ouro na corrida informativa. O desmentido nunca ganhará mais que um lugar sombrio no carro vassoura que corta a meta depois de toda a assistência ter já debandado.
Há quem diga que tudo isto faz parte da liberdade e da democracia. Também há quem diga que tudo isto não passa de um atropelo à liberdade e à democracia. Cada um que tire as suas conclusões. Cada qual que pense no seu conceito de liberdade e democracia, que bem pode comparar-se ao conceito de verdade e de mentira, que tem muito a ver com as circunstâncias em que nos vemos envolvidos nos acontecimentos que determinam esses conceitos.
Os nossos antepassados não se cansavam de dizer que mentir era feio. De facto, mentir era sinónimo de corar de vergonha. Pois, isso era no tempo em que ainda havia vergonha. Hoje, vê-se muita gente corar, mas de raiva se, mesmo mentindo descaradamente, não consegue obter o que vê nos outros, ou não consegue que os outros vão ao encontro dos seus argumentos, ainda que estupidamente falsos.
E é tanto mais assim, se o objectivo é chegar ao pódio do poder.