Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

Sempre que oiço falar de motores, logo me vêm com os cavalos que lhes dão a força de que dispõem. Alguns chegam mesmo a ter mais cavalos que uma herdade do Ribatejo, o que representa um verdadeiro mistério. Como é que tanto animal se comprime dentro de um bloco tão pequeno, onde nem podem relinchar como deve ser.
Na verdade, hoje não estou virado para essas motorizações, porque estou a sentir um enorme entusiasmo com os motores de busca e rebusca, que me colocam tudo e mais alguma coisa diante dos olhos, sem ter de acelerar por aí além, que é como quem diz, sem precisar de dar muita cevada na ração aos cavalares.
O nosso melhor motor de busca situa-se na cidade de Aveiro, onde um simples sapo nos fornece a toda a hora, uma boca cheia de novidades e um manancial de notícias fresquinhas que nem uma alface vinda do fim do mundo para o nosso supermercado. Busca que, normalmente, não demora mais que uns segundinhos, se não nos criarem problemas chatos.
Mas, a cidade da ria também já se tornou famosa pela sua capacidade de rebusca, através de um motor, que dizem ter apenas dois cavalos de potência, mas de uma eficácia à prova de todas as contestações e de todas as incitações à sua acção, após o fim das buscas normais. É por isso que dizem que são rebuscas.
Sinceramente que ainda agora não percebo bem o que isso é, mas faço algumas comparações com motores de busca de outras cidades, para ver se descubro alguma semelhança nos resultados dessas acções com mais ou menos cavalos, nem sei se a puxar para a frente ou a puxar para trás, porque há opiniões para todos os gostos.
Tenho cá para mim que o motor de busca do Porto tem alternado acções de busca e acções de esconde o que buscou. Não deve ser fácil desempenhar tão árdua tarefa, até porque um motor assim, pode gripar a qualquer momento mas, por enquanto, todos os apitos de alarme, têm estado caladinhos que nem um rato, sinal de que tudo vai bem.
O motor de busca de Lisboa, alimentado pelos motores de busca de Aveiro e Porto, tem-se mostrado o motor dos empatas pois, quando se clica nele, logo aparece a janela ‘o internet Explorer deixou de funcionar’. Ora bolas, digo eu, logo agora que eu ia descobrir o remédio santo para a minha curiosidade mórbida.
É que estes são motores que não têm a mínima fuga de óleo, a começar no Porto, onde o azul conseguiu exterminar o dourado, sem que existissem indícios de que tal ia acontecer, revelando tratar-se de um motor completamente estanque a fugas para o exterior.
Exactamente o mesmo se passou em Aveiro, onde as buscas e rebuscas se ficaram no silêncio do fundo da ria, com a protecção do moliço que não deixa descortinar nada no meio da água que nos cega. Daqui ninguém leva nada, se não entrar no motor de busca correcto que, sem dúvida, tem uma boca de sapo enorme.
Há quem diga que isto nem teria inconveniente nenhum se o motor de busca e rebusca central, em Lisboa, obviamente, não jogasse permanentemente para o empate, adoptando as tácticas destrutivas habituais de deitar bolas fora, fazer faltas consecutivas sem que leve cartões, conferências no meio do jogo sem desconto de tempo, e outras de que não me lembro agora.
Já lá vai algum tempo, disse eu aqui, neste espaço, que em Espanha havia o Garçon, e que em Portugal acabava de chegar a Maria. Julgava eu que entre eles podia haver alguma coisa em comum. Hoje penso que, então, mais me valia estar calado.