Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

08 Set, 2008

O grandalhão

 

 
Sempre ouvi dizer que homem grande é assim uma espécie de corpo de palha, o que me traz à ideia uma imagem muito vista antigamente nos campos de cultura e então designada por espantalho. Para quem não conhece o termo, esclareço que o espantalho servia para espantar, ou afastar, as aves e os animais selvagens que destruíam as culturas.
Esses espantalhos eram feitos de palha introduzida em roupas e fatos humanos de forma a parecerem-se com eles. Daí que um homem grande, o grandalhão, no sentido de corpulento, me faça ainda lembrar o corpo de palha e o espantalho.
Esta estranha figura é uma espécie de faz de conta que é uma personalidade importante mas que, na prática, é um espantalho sentado numa cadeira de um gabinete, onde nem sequer entram pardais que se assustem, nem espanta os melros que ali vão depenicar com toda a tranquilidade.
O grandalhão nem sequer serve de espantalho, pois está provado que sempre se deu bem com a bicharada mais daninha e até repelente que estraga a cultura física do país. Física, porque ele, o grandalhão, tem físico mais que suficiente para ser um atleta de alta competição.
Atentando na sua altura podia ser uma estrela no lançamento ao cesto, mas logo se lhe nota o inconveniente de ter largura a mais. Podia perfeitamente ser um ás no lançamento do martelo, mas é tão grande que não cabe no círculo de arremesso. O peso e o disco, duas especialidades de lançamento a que o seu gosto pelo desporto bem podia ter correspondência no tamanho, cedo se verificou que, afinal, o grandalhão só sabia lançar de sul para norte, apesar de estar infiltrado no sul.
Descobriu-se depois que a sua paixão estava no futebol e no doping. Entregou-se de alma e coração aos amores da sua vida, até porque dali, do seu gabinete com vistas para o Tejo, podia perfeitamente chutar para a segunda circular, todos os passes que lhe chegavam do Douro.
E foi assim que começou a meter golos no sul, alguns com inegável influência nas decisões competitivas.
Já ouvi dizer que até parece impossível, um espantalho daquele tamanho estar sempre fora de jogo, quando qualquer jogada mais grave anda no ar, a sobrevoar os relvados.
Sinceramente, não me parece que isso aconteça, porque também já ouvi dizer que ele vai para a janela do gabinete a fazer sinais de fumo para uma determinada direcção. Depois de ter a certeza de que esses sinais foram recebidos e entendidos, então sim, mostra a sua voz grossa, voz de grandalhão, e afirma que a jogada está em vias de finalização por quem de direito. Mesmo que a jogada finalize com um remate para a linha lateral, devido ao espantalho que ocupa a baliza contrária.
Não sofrer golos já dá empate e o que é preciso é nunca perder.