Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

28 Set, 2008

Euro estúpidos

 

Começo por confessar que o maior de todos eles sou eu, pois não consigo entender determinada gente tão inteligente e tão bem formada, gente que ninguém é capaz de acusar de falta de competência, pelo contrário, a toda a hora se ouve qualificá-la como de uma seriedade e competência impecáveis, intocáveis e indiscutíveis.
Pois é, mas na hora de se pronunciar sobre assuntos da sua competência e especialidade, cada um dá sua sentença e não há forma de se porem todos de acordo. As divergências entre eles, mestres entre os mestres, são insanáveis e absolutamente contraditórias quando há que tomar decisões técnicas que incluem decisões políticas.
Ainda assim, os euro decisores lá vão encontrando consensos mais ou menos difíceis. Mas, quando chegam aos países de origem encontram sempre um coro de discordâncias manifestadas nos mais díspares argumentos. Alguns dos discordantes têm as mesmas especializações dos euro decisores, mas parece que não aprenderam pela mesma cartilha.
Depois, às centenas ou aos milhares, aparecem os euro ignorantes, como eu, com a diferença de que eles sabem tudo e eu não sei nada. Eles é que dizem como as coisas estão erradas, mas não dizem como é que elas ficariam certas. Contudo, chamam incompetente a toda a gente que decide, não importando desconhecer de que tipo de decisão se trata. Só porque é uma decisão vinda dali, do lado, é uma decisão errada.
O país está integrado numa comunidade alargada, logo, sujeito a um escrutínio permanente e apertado quanto à grande maioria das decisões que cá se tomam. Decisões que não só passam nesse escrutínio, mas são apoiadas e até elogiadas por quem superintende nessas matérias.
Ao contrário, cá dentro, tanto os especialistas da oposição e alguns analistas tidos como conhecedores, como ainda os críticos tão ignorantes quanto eu, entendem que o país está todo errado. Até pode estar, digo eu, ignorante confesso. Mas então, onde é que estão os euro estúpidos? Estão além fronteiras, ou estão aqui mesmo ao pé de nós?