Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

Começo finalmente a sentir alguma felicidade com o evoluir da situação política que tanto tem preocupado o país. Isso deve-se à divulgação de encontros secretos até aqui, entre Coelho e Seguro, não se sabendo ainda se é o Coelho que se sente mais seguro, se é o Seguro que julga ter o coelho quase caçado.

A verdade é que ambos vêm de uma evolução vertical conjunta, isto é, ambos devem os lugares onde se encontram agora, à mesma trovoada. Perante essa proximidade, é natural que se tenham felicitado mutuamente, após o que, conversa puxa conversa, pedido daqui, mais pedido dali, lá se aconchegaram num abraço mais que amistoso.

Para já, Seguro terá garantido que o orçamento tenha menos vírgulas e menos pontos finais, por supressão de uma ou duas alíneas de um parágrafo. Com isso, o orçamento avança com mais folga, enquanto Seguro, segura interinamente o importante lugar de ouvinte privilegiado das intenções dos seus superiores hierárquicos.

Embora este alto cargo já seja uma elevada honra para Seguro, é-lhe garantido ainda que, na próxima oportunidade, ele será o principal conselheiro, mesmo que tenha de haver um reajustamento das funções de Portas, Relvas e Moedas. Não fica abandonada a ideia de se criar um vice-primeiro-ministro, para as normais substituições do titular nos dias de folga.

Nestas coisas de política e de governo nem sempre as horas e os dias passam na pachorrenta moleza do país. De um momento para o outro há os que sobem e os que descem, os promovidos e os despromovidos. Há as guerras da oposição que podem passar às alianças na governação. Se Coelho e Seguro combinam coisas em segredo, aí tudo pára.   

Coelho já fazia dupla com outro, mas nunca é tarde para meter mais um no meio. Entre Coelho e Portas, um Seguro não deixa de dar jeito. Resta saber se dará jeito aos três, formarem mais uma troika, dado o trauma que tal designação já provocou em todo o país, embora para eles os três, a troika patronal tenha sido um maná.   

Coelho e Portas Seguro, ou Portas e Coelho Seguro, por mim, não sei qual das hipóteses é mais segura, mas o país pode finalmente respirar de alívio, pois não mais ouvirá, ou lerá, os sábios comentários de gente sabida, que diz - tudo o que nos aconteceu se deve apenas à roubalheira de um só – ou – ele levou o país à bancarrota.

Assim, não mais se pedirá choldra apenas para um mas, democraticamente, para os três da vida airada que, tudo o indica, virão a constituir a comissão liquidatária duma herança envenenada. Por arrasto, pode ser que a essa comissão se juntem na choldra, todos os que encheram o papo com os restos que o tal não conseguiu levar para a viagem.

No entanto, convém salientar que a nossa robusta democracia não ficará mais pobre, nem mesmo debilitada, pelo facto de ficar amputada de três membros de alto gabarito, como são os três da vida airada, ou troika à portuguesa. Essa garantia é-nos dada pelos restantes membros fortes da nossa democracia.

O Jerónimo e o Francisco são, por si só, bem capazes de suprir todas as dificuldades que os malvados lá de fora nos queiram impor. Tanto mais que têm a oportunidade ímpar de lhes fazerem aquilo que sempre disseram que os supostos enclausurados deviam ter feito, antes de ter acontecido a tal trovoada que fez cair raios e coriscos.

Da mesma maneira, que ninguém pense que o país vai ficar mais pobre com a comissão liquidatária à sombra. Nada disso. Pobres, já nós estávamos. Depois deles, continuamos pobres de dinheiro, mas passamos a ser ricos de unidade, de solidariedade e de justiça social. Com todos os maus na choldra, nós, os bons, ficamos muito mais limpinhos.

E, muito mais importante que tudo isso, do léxico comum do dia-a-dia comunicacional, desaparecerão termos como, gatunos, vigaristas, incompetentes, oportunistas, malandros, tachistas, malabaristas e tantos outros semelhantes. Simplesmente, porque todos esses, já estão de cana, à espera da reforma por velhice, para poderem sair.

Falando a sério, se isto lá não for com uma dupla, terá que ir à força, com uma tripla, nem que seja reforçada com o nosso Joker multi-soluções.