Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

afonsonunes

afonsonunes

01 Fev, 2016

Acagaçados

 

Isto hoje vai meter cheiros. E não há nada como avisar logo de início a fim de evitar vómitos ou outras incómodas consequências de que não quero responsabilizar-me. No entanto, também não quero passar ao lado disso.

Começo pelos acagaçados do futebol e depois vou até ao sítio do costume. ‘Nunca, jamais, em tempo algum’, se viu um tal frenesim como aquele a que estamos a assistir nos leões, agora a morder que se farta.

Passada a fase das facilidades ganhadoras e vendo o adversário de estimação - que não valia nada nem podia com uma gata pelo rabo - a aproximar-se perigosamente da juba, toca a disparar impropérios felinos.

Primeiro, era só o presidente. Depois, o ‘cagarolas’ do Jorge, quis mostrar que só ele é que sabia da coisa. Falava das águias, como se ainda fosse o dono daquilo tudo. Falava dos leões como se tudo já estivesse no papo.

Agora o presidente calou-se, ou pelo menos limitou-se, e o Jorge substituiu-o no ataque aos do apito. E as ‘caganças’ abrandaram. Alguma coisa começou a tremer nele, pois os resultados já chegam ‘à rasquinha’.

Muitos dos árbitros são maus. Mas isso toda a gente sabe. E são maus em qualquer campo e para qualquer clube. Só que quando se é mesmo superior, ganha-se com muito mais facilidade. Portanto, calma Jorgito.

Claro que ‘acagaçados’ sempre houve e vai continuar a haver. Mas com a raiva e a mesquinhez de gente como dois leõezitos que andam lá pelos corredores, é inadmissível. Nunca se chegou a um tal descalabro oral.

Nem nos tempos de maior destempero entre dragões e águias. Talvez porque nessa altura os leões nem juba tinham. E o que sempre dá, é atacar-se quem se teme. Os fortes ignoram os fracos. Não devia ser mas é.

Passando para o campo dos partidos, a direita anda, também ela, verdadeiramente acagaçada. E não é caso para menos. A cada dia que passa as broncas vão-se sucedendo. E o palavreado passa a nível de lixo.

Tudo o que era arrogância e verborreia de insubstituíveis, passa agora a rispidez contra quem tem de descobrir-lhes a careca. É que, não há capachinhos que tapem carecas desta espécie. Nem caganças sem cheiros.