Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

Diz-se por aí tanta coisa bonita que não resisto a fazer delas o objeto da minha boa disposição. Também oiço dizer que esses dizentes deviam deixar-se de tretas, ou deixar-se de fitas ou lérias, dada a inconsistência dos seus ditos.

Continua o reboliço à volta das escolas e dos contratos de associação. Deixem-se de tretas, de fitas ou de lérias e até de macacadas, sobretudo, quando se armam em manifestantes de vencer ou morrer pela causa. Pois que morram, se é isso que querem. Não serão muitos a ir aos seus funerais.

Mesmo que os manifestantes sejam muitas centenas, serão milhões os contribuintes a ficar mais aliviados.

Porém, alguns e algumas dos que andam por aí a fazer fitas, são pessoas conceituadas, dentro dos seus conceitos, quando não dos seus preconceitos.

‘As vacas não voam’. E eu desafio os que não se calam com isso, a interiorizar que os bois não parem vaquinhas nem bezerrinhos. Ou não deviam parir notícias ou opiniões, sem outro motivo que não seja o intuito de minimizar alguém que os incomoda irritantemente.

As bezerrinhas e os bezerrinhos que agora se fartam de rir com as suas ‘bezerrices’, são capazes de vir a chorar quando virem que há coisas muito sérias no meio de tanta malandrice.

‘Quanto custa, quem paga’. Isto em relação ao que consta do OE. Sabe-se que se preocupam muito por não verem lá escrito, preto no branco, que vão pagar os do costume. Deixem-se de lérias. Provavelmente, vão pagar os que estavam habituados a pagar pouco, ou mesmo nada. Talvez já estejam a recear que lhes vão aos bolsos.

Já há quem afirme que Marcelo já marcou a data do exame a Costa, com a certeza de que vai sair chumbo. Porque dizem que o prazo de validade do governo já foi ultrapassado. Daí que também haja quem veja a geringonça irritada com o fim dos afetos, substituídos por mensagens de despedida.

Claro que Marcelo sempre foi, e continua a ser, a última esperança dos que vivem em constante ansiedade, suspirando pelos afetos perdidos com a saída de Cavaco.

Mas a verdade é que a tal geringonça só depende de si própria para que Marcelo faça, ou não, o que os inconsoláveis desafetados pretendem.

Depois, será muito difícil que os portugueses prefiram, à geringonça, uma grande e cara máquina puxada por inúmeros cavalos, mas que, por excesso de rações, não puxou mais que quatro anos.