Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

22 Out, 2008

Por mim, trocava...

 

 
Não se trata de trocar berlindes por rebuçados, nem tão pouco trocar a namorada pela satisfação de qualquer capricho mais esquisito, intenção que já vai aparecendo, que mais não seja, como modo de chamar a atenção. No meu caso, pretendo apenas manifestar o desejo de efectuar uma simples troca entre uma coisa que me incomoda e incomoda muita gente, e outra coisa que já teve o condão de fazer figura, mas agora não serve para nada, nem para ninguém.
É uma troca que só seria possível fazer-se, se houvesse alguém que conseguisse remover impossíveis, através de uma varinha mágica que actuasse no pensamento e o transformasse em obra gigantesca. O estaleiro imaginário encontra-se em Leiria, cidade de belezas raras, contrastando com pequenas nódoas disseminadas aqui e além, talvez porque a tentação das enormidades fosse superior às realidades e utilidades possíveis.
A minha mirífica troca, se ainda fosse possível, consistia em devolver o estádio à origem e receber um rio limpo de adubos que fazem dele um campo de plantas sujas e mal cheirosas, onde só os patos bravos conseguem sobreviver.
O estádio custou um balúrdio e não serve para nada. O rio precisa de um balúrdio para ser devolvido às pessoas no estado em que as mais antigas o conheceram, com água corrente, limpa, transparente. Acontece que o balúrdio para limpar o rio não aparece e o balúrdio que custou o estádio, evaporou-se. Para a construção do estádio, o balúrdio apareceu de um dia para o outro. Para limpar o rio, há anos que se procura o balúrdio e ninguém faz nada para o encontrar.
É por isso que só um milagre poderá permitir a condensação do balúrdio que se evaporou, fazendo-o cair na cidade em forma de chuva purificadora de todo o ambiente que conspurca a região e afronta as pessoas que nela se fixam ou por ela passam.
Quem sabe se não haverá um extravagante milionário estrangeiro interessado em comprar o estádio. Mas só na condição de meter o rio como beneficiário do balúrdio recebido. Por mim, trocava já…