Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

23 Fev, 2012

Não me digas!

É exatamente isso. Prefiro não saber, a ter de suportar os desgostos que o decorrer dos tempos parece querer meter-me na frente dos olhos. Dizem que o tempo não volta para trás, mas começo a estar obcecado com a ideia de que isso possa mesmo vir a acontecer.

Gostava de ver esclarecido tudo o que se passa no país até à última vírgula, ainda que tivesse de ser eu a colocar o último ponto final, porque nisto de conclusões, já todos sabemos que há gente obcecada em todas as direções, mesmo naquela que obriga a meter a marcha atrás. 

O que mais me intriga é ver que há uma vontade enorme de esconder fatos e acontecimentos que, no meu modesto entender, todos teríamos grande interesse em conhecer, principalmente, para não andarmos permanentemente a discutir o sexo dos anjos.

Na nossa chamada casa da democracia é frequente assistirmos à negação do que ela devia ter de mais nobre e de mais puro: o apuramento de todas as verdades, que todos os partidos ali representados tanto gostam de apregoar quando sentem que algum, ou alguns deles rejeitam.

O que acontece é que todas as maiorias, quando certa verdade não convém, apressam-se a impedir a sua discussão, ou a impedir o conhecimento exato das conclusões, quando a discussão exista. Isto, para não falar do rol de aldrabices à volta da sua divulgação.

Parece que o BPN vai, ou alguém pretende que se vá discutir a sua gestão e a sua venda, assunto que anda e sempre andou, envolto em mil e um segredos, que deviam envergonhar quem se esconde por detrás de uma maioria para que tudo permaneça oculto.

É evidente que só não quer discutir qualquer assunto, quem tem nele enterrada a sua vergonha. Ou quem tem nele mergulhada a sua honorabilidade muito apregoada, mas tantas vezes traída por estas negas de demonstração das suas responsabilidades ditas cristalinas.

A Universidade Católica divulgou uma sondagem com inúmeros dados sobre a situação política atual, muito ligada a dados anteriores a este governo e a outros responsáveis políticos de outros governos. Não vou atrás desses resultados pois isso não me motiva mesmo nada.

Aquilo que verdadeiramente me motiva é ver que a nossa televisão pública arranja maneira de divulgar umas tantas coisas desse estudo, deixando de lado tudo o que, provavelmente, não lhe agrada. Bem me parece que se preocupa apenas com os obcecados por meias verdades.

E o que mais interessaria aos apreciadores dessa matéria seria, naturalmente, qual o partido que aparece à frente das opiniões recolhidas. Simplesmente, omitido. Como omitidas foram também muitas comparações ali desenvolvidas que mostram evoluções interessantes.

Interessante também que, ao contrário de outras, esta sondagem foi praticamente ignorada. E isto é que é preocupante. Isto revela uma obsessão. Isto é uma espécie de não me digas, que eu tenho medo de ouvir. Até parece que já andam votos na mente de muita gente.

Continuamos a ser o país das meias verdades, quando não das mentiras inteiras. É por essas e por outras que, ao ouvir certas coisas, costumo dizer com ar de quem não quer a coisa: não me digas!...