Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

25 Out, 2008

A nossa estrelinha

 

 
No mundo há muitos milhões de milhões de seres humanos. No universo há muitos milhões de milhões de estrelas.
 
Diz-se que cada pessoa tem a sua estrela desde o momento que nasce. A partir daí, essa estrela comanda a vida em todos os aspectos determinando, invisivelmente, tudo o que de bom e de mau, virá a acontecer ao longo dos tempos de permanência dessa vida no espaço terrestre.
 
Não se sabe se as estrelas também morrem com as pessoas que tutelam. Se assim for, é de calcular que também nasçam no mesmo momento dessas mesmas pessoas, pois só assim será possível manter o equilíbrio quantitativo das duas espécies, para que se mantenham as boas e as más acções que ditam a felicidade ou a infelicidade, a sorte ou o azar que só a estrela de cada um, tem o condão de distribuir.
 
Não há contestação possível a esta espécie de sina que trazemos da origem.
Não há manifestações nem lutas que alterem este desígnio que nos guia através de uma espécie de foco luminoso que vem do alto, dum ponto indefinido do infinito, de uma estrela invisível com quem não temos hipótese de dialogar, nem acusar de agir com todos os indícios de ditadora. Sim, porque não podemos mostrar-lhe o nosso desagrado por não sermos ouvidos, por não sermos tidos nem achados na definição dos nossos objectivos de vida, no nosso sofrimento ou no nosso prazer.
 
Talvez tudo isso dependa da estrela que nos coube em sorte.
Talvez haja estrelas boas e estrelas más.
Talvez haja uma estrela rainha que distribui as estrelas segundo o seu inexplicável critério.
Talvez tudo isso esteja certo, ou talvez não passe de mais uma especulação igual a tantas outras que se nos deparam a todo o momento. Não há estrela que faça parar tanta especulação.
 
A minha estrela nunca me disse que eu próprio sou um especulador, ao atirar para o ar tanta coisa que não tem qualquer sentido. Essa falta de sentido crítico deixa-me a dúvida se devo continuar ou se devo parar.
 
Mais tarde ou mais cedo a minha estrela vai ter de tomar uma posição.
Só receio que essa decisão, quando surgir, sirva para me dar o eterno descanso. Provavelmente, a minha estrela, terá também o seu descanso definitivo.