Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

Hoje jogam eles, espanhóis e italianos, o que quer dizer que hoje não haverá festa de arromba para os portugueses. Dizer que isso não nos toca minimamente, também não corresponde à verdade, porque sempre haverá as simpatias individuais, mesmo quando os interesses pessoais não signifiquem grande coisa para um lado ou para o outro.

 

Só que os espanhóis estão aqui ao nosso lado, mesmo à mão de semear, quando pretendemos fazer uma incursão de reconhecimento, para medir o clima para lá da fronteira. Até há quem diga que são nossos irmãos mas, até determinada altura, mais parecia que eram nossos patrões, pela quantidade de mão-de-obra que constituíam os muitos dos nossos trabalhadores no desemprego.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             

Já os italianos não têm muitas afinidades connosco, nem nós com eles, mas sempre nos fazem lembrar o Papa e as bênçãos que muita gente lá vai receber com toda a devoção. Outros, recebem essas bênçãos com igual fervor e fé nas suas próprias casas, nem que seja através da sua própria imaginação. Depois, também há um papa que está em muitas mentes de portugueses que o adoram.

 

Isso também é lá com eles e não tem nada a ver com o jogo decisivo de hoje. Para nós, portugueses, a questão é muito simples. Um dos contendores de hoje vai receber um troféu que podia e devia ser nosso, não fora aquele azar que nos deram aqueles ferros malditos daquelas balizas azarentas, que estragaram muitas festas nacionais e obrigaram a engolir muitas bebidas de consolação.

 

Daí que espanhóis ou italianos tanto dá, até porque, presentemente, nenhuns deles nos dão nada que nos salve dos males de que também eles padecem. Todos eles vão hoje emborcar muitos goles de vinho ou cerveja, por causa dos golos que as suas equipas vão, ou não vão, marcar. Os que ganham fazem a festa e vai uma de caixão à cova e os que perdem lá terão de apanhá-la para afogar as mágoas.

 

É sempre assim. A moeda tem sempre duas faces e o jogo, mesmo empatado, nunca deixa toda a gente a festejar. Mas, aqui, nem sequer há empate que lhes valha. Uns, levam a taça e os outros, ficam a chuchar no dedo. E nós, que já não temos nada a ver com isso, ficamos a vê-la por um canudo. Alguns ainda verterão uma ou outra lágrima de ver nas mãos de outros, uma tacinha que dava um jeitão cá dentro.   

 

No entanto, temos de pensar em alguma coisa que nos console. E há sempre um motivo de consolação, desde que não sejamos obsessivos sobre o que não ganhámos. Vamos ser otimistas, vamos pensar que temos lá um homem português que está acima de espanhóis e italianos. Um português que pode, se quiser, fazer um milagre para uma das equipas contendoras.

 

Um daqueles milagres a que assistimos por cá, domingo a domingo, hoje até já pode ser em outro dia qualquer, em que este e outros portugueses, que têm uma fé incomensurável nas orações do papa, ou em bispos quase tão venerados como ele, apitam em certas jogadas, como se o apito fosse telecomandado, como se o sopro no dito viesse do além e, milagre, o jogo fica decidido.

 

Hoje, nós, os que estamos cá fora, e que aparentemente nem têm nada a ver com aquilo, vamos sofrer para que aquele português não faça nenhum milagre que dê muito nas vistas. Ele sabe como deve fazer isso. Mas é sempre bom recordar-lho. Ele também sabe que, lá tão longe, está protegido dos maus-olhados que sente cá dentro.        

 

Pode parecer que hoje aquilo é lá com os espanhóis e italianos. E eu acredito que seja mesmo. Porque também acredito que os portugueses, em dias de grande responsabilidade, são capazes de mostrar que estão mesmo imunes às pressões que sentem no dia-a-dia. Ainda que elas sejam quase insuportáveis. Mas, dos fracos não reza a história. O país precisa dos fortes. Hoje e sempre.