Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

13 Set, 2012

Vamos todos dormir

 

 

Dormir é o melhor remédio para quem ainda esteja acordado no meio deste ruído saudável que caracteriza a nossa sociedade de requintados gostos nos seus hábitos de vida. Ou não gostassem os nossos esclarecidos cidadãos de trocar o sono com muita frequência, nos momentos decisivos da vida do país.

Por exemplo, quando elegem os políticos que mais mentem, só porque acreditam nas suas mentiras. Evidentemente que o fazem com muita inteligência, pois a intenção, corretíssima, é mostrar aos anteriores que não mentiram o suficiente para merecerem de novo a confiança popular.

Ora, assim sendo, e para regular o sono dos que andam a dormir em pé, nada mais eficaz que recomendar as vozes dos patinhos que cantam o ‘vamos dormir’. No meu entender, isso devia acontecer por volta das oito da noite, antes das notícias televisivas, por causa da crescente excitação que elas estão a causar.

Para que a eficácia da cantiga tenha êxito total, recomendam-se dois cuidados. O primeiro é que isso seja considerado serviço público para a RTP. O segundo é que os patinhos sejam selecionados com rigor. Devidamente adaptadas, os patinhos usariam as vozes mais queridas neste difícil momento político.

Um conjunto formado por Miguel Relvas, Luís Montenegro, Jorge Ribeiro da Silva e Carlos Abreu Amorim, constituiriam o quarteto dos textos a declamar. No acompanhamento musical, Passos Coelho no pífaro, Vítor Gaspar no contra baixo e Filipe Menezes nos ferrinhos. No coral, as duas Assunções, Esteves e Cristas.

A partir do momento em que este programa, ‘vamos dormir’, ponha no ar os seus patinhos, não haverá certamente quem não esteja a dormir às oito da noite. Salienta-se a poupança de energia elétrica e a poupança de energia humana que, no dia seguinte, representará uma acentuada produtividade geral.

Deixará de se pensar que ‘há a sensação de viver de novo em ditadura’, (Siza Vieira) ou que ‘temos de avançar para uma federação de Estados-nação’, (Barroso). Mas onde é que estes dois vivem? Só pode pensar assim quem está a ver portugueses a atirar ovos a ministras bem preparadas para os apanhar no ar.  

Mas, a sensação que eu tenho, é que os patinhos faladores vão ficar na história como os melhores soníferos jamais descobertos em qualquer latitude, para que não digam que somos maus em tudo. Além disso, povo que dorme não pensa, e o país já tem os pensadores suficientes na área do poder. Únicos e insubstituíveis.

O grande problema destes pensadores não é a sua competência ou incompetência. Qualquer das duas, eles têm de sobra. O grande problema deles é a grande virtude da sua exclusividade no que toca à possibilidade de pensar e deixar pensar. Eles pensam, mas mais ninguém tem o direito de pensar. Se não pensar como eles.

Quem quiser pensar que vá dar uma curva, enquanto quem quiser dormir, que se alimente do que ganha durante o sono. Se assim não fosse, não valia a pena pedir os valiosos esforços dos valorosos patinhos do ‘vamos dormir’. Para reforço e eficácia da campanha, continuem de imediato com a culpabilização do Sócrates e do PS.

Mas, por favor, ordenem, mas ordenem mesmo, aos vossos anti patinhos, que se esqueçam, de vez, de pedir ou de ordenar ao PS, que se ponha do vosso lado. Porque a vossa sensatez nunca pode ser misturada com a irresponsabilidade de quem vos quer abrir os olhos. Enfim, e agora, vamos todos dormir.