Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

15 Nov, 2008

Olha quem fala

Faladores é o que mais há por aí, mas nunca conseguirão ser mais que aqueles que nem reparam que está alguém a falar, a maior parte das vezes porque quem fala não percebe que só será ouvido se disser alguma coisa que tenha sentido e, principalmente, que não se ponha em bicos dos pés, ou arme em sabedor mor do reino.

Com certeza que há pessoas que sabem muito mais que a maioria dos habituais ouvintes mas, geralmente, essas sabem manter uma postura de cordialidade e humildade que, por si só, faz com que se imponham naturalmente, quando fazem ouvir a sua voz reveladora de conhecimentos que muitos dos faladores não entendem.
Porém, são aqueles que menos percebem o que ouvem, que depois vêm fazer comentários completamente disparatados, quer o façam verbalmente junto de amigos e conhecidos, quer utilizem os vários fóruns que hoje proliferam nas rádios e nas televisões. Até uma grande parte das perguntas que são pedidas a esses comentadores, têm o seu quê de estúpido e perverso, por apelarem a respostas sobre assuntos altamente técnicos que nem sempre estão ainda esclarecidos.
Depois, há as notícias publicadas nas edições ‘on line’ onde se pedem comentários. Bom, aí passa-se mesmo dos carretos, quem se refugia em ‘nicks’ e utiliza palavras com ortografia adulterada, insultando tudo e todos os que não entram nas suas sujeiras, deixando mesmo de comentar as notícias, para se dedicarem a responder asquerosamente aos autores de outros comentários que contrariem as suas ideias obtusas.
Mas, ainda há um certo tipo de ‘trabalhadores’ que ‘trabalham’ todo o ano para a causa do voto, em dedicação exclusiva ou camuflada em actividades que lhes dão alguma audiência. Daí, então, toda a linguagem é folclore e manifestação de uma educação que até o tareco da vizinha, que não andou na escola, está muito melhor ensinado. E, volta não volta, lá vem a ameaça e a chantagem, que é a arma de quem sabe que nunca tem razão, mas é o último argumento que lhe resta para não perder a face.
É por isso que todos os faladores poderiam ser extremamente úteis se conseguissem ouvir os outros, pensassem um pouco sobre o que ouviram e depois, sim, emitissem a sua opinião com toda a sinceridade e bom senso, despida de toda a poluição que hoje infesta muita da comunicação que nos chega aos olhos e aos ouvidos.
Só assim deixaríamos de dizer, com desilusão e enfado: Olha quem fala!…