Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

afonsonunes

afonsonunes

17 Nov, 2008

Fugir

 

 
Confesso que já tive a tentação de fugir. Como acontece com muita gente, senti-me cercado e incapaz de me libertar das amarras que me prendiam.
O mais estranho, é que não via nada nem ninguém, que pudesse provocar essa sensação de privação de me mover para onde me apetecesse. Mas, sem saber porquê, apetecia-me fugir. Para onde e para quê fugir?
Confesso que me senti mais preso ainda, pois a ideia de que, ali, ou em qualquer outro lugar, estaria exactamente na mesma situação, o que me levaria, mais tarde ou mais cedo, a regressar ao lugar de onde parti, agora mais triste e desiludido por uma aventura falhada.
Pensei então, que quando se está mal em qualquer lugar, sem identificar a causa, não vale a pena fugir. Quando se foge, foge-se de alguém ou de uma coisa qualquer.
Não adianta fugir de fantasmas, porque eles irão sempre atrás de nós. Em lugar de fugir, é preciso dar-lhes luta, logo que eles se abeirem de nós, enfrentando-os com toda a determinação, sem medos nem receios, convictos de que estamos a defender o nosso lugar, contra intrusos inoportunos e indesejáveis.
Se alguém tem de fugir desse lugar que nos pertence, são esses fantasmas que já foram obrigados a fugir de outros lugares, ocupados por outras pessoas, que tiveram a força e a coragem de os mandar embora.
Nunca se justifica fugir de fantasmas, porque eles não têm rosto, nem ocupam o espaço físico que nos está atribuído. Quando muito, preenchem uma parte do pensamento de quem permite que eles ali se instalem, por mais ou menos tempo.
Se não devemos fugir de fantasmas, muito menos devemos fugir de nós próprios. Isso seria o mesmo que pretender fugir da própria sombra, pois também ela é uma espécie de fantasma que nos persegue, se lhe damos demasiada importância.
Já o mesmo não acontece contigo. Entraste no meu pensamento quase sem eu dar por isso. Fiquei cada vez mais cercado com a tua presença. Senti-me perseguido, como se tu fosses a minha própria sombra.
E a verdade é que nunca fiz o mínimo esforço para fugir. Afinal, até nem me importo nada que preenchas o espaço que devia ser só meu. Se um dia pensasse em fugir, teria de ser contigo, mesmo sem saber para onde.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.