Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

afonsonunes

afonsonunes

 

 

Constou-me que há um ministro radical no governo mas não consegui descobrir qual deles, tem mais visível essa característica tão apreciada por quem gosta de se mexer e, sobretudo, ver gente que se mexa e saiba mexer-se.

Estou convencido que todos eles mexem em qualquer coisa. Resta saber se a coisa deve ou não deve ser mexida e de que maneira. Daí que tenha, voluntária e gratuitamente, feito um estudo sobre as atividades dos ministros mais irrequietos.

O moço da mota chamou imediatamente a minha atenção. Talvez porque tenha ficado a olhar para o capacete. Que nem tinha nada de especial, mas uma cabeça de ministro metida dentro dele, produziu em mim, um efeito arrasador.

E mais arrasado fiquei, quando vi a destreza com que ele avançava e metia a marcha atrás, tudo sem parar, sem olhar, sem pestanejar. Ouvi alguém dizer que ele até era capaz de recuar antes mesmo de avançar. Radicalmente, não estava mal.

A seguir, fixei o olhar no ministro Gaspar e nas suas acrobacias burocráticas entre Lisboa e as cidades europeias das vias sinuosas e saturadas. O homem é capaz de manter consultas telefónicas com dez contactos simultaneamente.

Porque ele tem um telefone em cada dedo de ambas as mãos. Só assim consegue perguntar tudo o que deve fazer, em relação às inúmeras respostas que tem de dar aos outros ministros, pois tudo lhe passa pela mão e tudo tem de ser decidido pelos outros. 

Também não podia deixar de observar o ministro doutor, de quem não lembro o nome, mas que se aguenta na corda bamba como se tivesse os pés bem assentes na terra firme. Ele fala de tudo, sabe de tudo, decide tudo, mesmo sem ir ao Gaspar.

Depois, observei o Passos, que passa o dia numa sessão ininterrupta de corta relvas entre o Miguel e o Vítor, para conseguir ter uma pequena ideia do que eles fazem, pois nem têm tempo de o informar das suas pesadas tarefas.    

Tive de interromper o estudo sobre o comportamento radical dos ministros. Achei que não valia a pena continuar, pois os restantes, todos eles, apresentavam indícios de radicalismo mais que suficiente para os classificar com cinco estrelas.

Assim sendo, achei que o melhor seria pronunciar-me sobre os quatro ministros radicais observados, com a finalidade de distinguir o melhor deles. Elegi o ministro da mota. Além de recuos incríveis, ele já conseguiu bater no fundo dos fundos do ministério.

 

 

 

1 comentário

Comentar post