Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

11 Nov, 2012

Entre blocos

 

Temos no país a graciosa novidade política da existência de dois blocos, ambos se considerando como única alternativa à salvação nacional. Resta saber qual deles será mais sólido: o bloco de cimento ou o bloca de tijolo.

Um bloco de cimento armado, duro e resistente contra as intempéries, bem pode estar em declínio, tal como a construção civil. O bloco de tijolo, embora com prazo de validade ainda longe do termo, já apresenta fissuras de alguma gravidade.

Sabe-se que não é fácil construir um edifício chamado país, com base nesses dois blocos, por mais que eles se julguem fortes, competentes e sabedores de todos os segredos. Em lugar de fazer fortes as fracas gentes, eles farão fracas as fortes gentes.  

De um lado, reclama-se a imediata formação de um governo de esquerda, sem o PS, do outro lado a manutenção de um governo de direita, sem o Bloco. Entre estes dois blocos está um partido emparedado e condenado a ficar por ali até ser esquecido de vez.

Porque, qualquer um dos dois blocos exige que o PS tome uma posição definitiva: ou cai para o lado de um deles, ou cai para o lado do outro. Como Seguro entende que é mais seguro morrer de pé, aí o temos entalado entre o cimento e o tijolo.

Esta é a sentença de um coletivo de dois juízes. Mas, em Portugal, pouco conta uma sentença com um coletivo destes. O condenado vai continuar a querer ser, também ele, mais um bloco que, segundo os seus representantes, até será de ferro.

É evidente que há muita pretensão em todos os blocos, nestes, como em outros que ainda se reclamam de tapa buracos entre o cimento, o tijolo e o ferro. E lá terão as suas razões para não se deixarem emparedar para a eternidade.

O grande problema é que os blocos não conseguem ver em cada momento, a dimensão real que cada um deles tem. Assim, torna-se ridículo que os blocos mais pequenos, queiram movimentar e colocar a seu gosto, blocos muito maiores que eles.

Depois, há uma realidade que não pode ser ignorada, por mais que reine uma grande confusão na construção civil. Não há edifício que resista, se for construído com blocos só de cimento, só de tijolo, ou de cimento e tijolo, mesmo misturados com muita areia.

Mesmo emparedado entre o cimento e o tijolo, o bloco do ferro faz lá muita falta. Perguntem isso a qualquer operário da construção civil, que não é engenheiro, nem doutor, nem tão pouco alguma vez foi ministro.