Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

afonsonunes

afonsonunes

28 Nov, 2012

Haja luz e fogo!...

 

 

Vem aí o Natal e já se nota a azáfama da instalação de luzinhas nas ruas e nas praças com fios pendurados ou enrolados nas árvores ou nos postes. Tal como já se fala nas verbas que isso e o fogo-de-artifício vão custar ao país candidato à banca rota.

Que ninguém diga, que mal empregados são os milhões que vão arder na época natalícia, porque sem eles não seria Natal, nem haveria as festas que fazem movimentar pessoas que têm dinheiro para gastar e mostrá-lo aos que não o têm.

Porque, os que não têm dinheiro podem ir para a cama curtir a fome, enquanto os que têm muito bago, vão para a rua curtir o ‘barulho’ das luzes e o brilho do foguetório. A tradição da época é a festa e a animação. A fome, essa nem tradição tem ainda.

Portanto, que ninguém venha reclamar a incongruência que julga ver nos gastos aos milhões, que bem podiam servir para distribuir uma ceia a muitos daqueles que nem almoço nem ceia vão ter. Mas, tudo isso é demagogia, evidentemente.

Só na Madeira, ao que dizem, são dois milhões que vão para os olhos dos estrangeiros que vão encher os hotéis os quais, certamente, vão ressarcir quem entrou com a massa, entregando os impostos cobrados, de forma que ainda fiquem alguns euros de lucro.

Aliás, na Madeira como em muitas autarquias que vão abrilhantar o país, o que não lhes falta é dinheiro para o chamado fogo de vista, no bom sentido claro, pois o passado não deixa dúvidas de como também nunca faltou bom senso nos seus gastos.

Portanto, quem se queixa não está a ver bem o problema. Melhor, está a ser egoísta. Sugere-se que veja o problema pelo outro lado. O lado do foguetório e das luzinhas a piscar. Se lhe faltarem as forças, vá para a caminha e durma descansado.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.