Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

afonsonunes

afonsonunes

20 Dez, 2012

Coragem, doutor PPC

 

A coragem não tem sido o seu melhor atributo ao contrário do que dizem alguns dos seus mais doentios seguidores. Seguidismo, sim, esse tem sido o rumo do seu caminho determinado pelos ventos que sopram de leste.

Sim, porque a leste de Portugal fica toda uma Europa doente, senão com pacientes moribundos, que parecem felizes por estar a embarcar na marcha fúnebre que os vai levar ao céu dos inocentes cumpridores.

A coragem não é isto. A coragem é saber dizer não ao que não interessa à generalidade do povo e que é repudiado pela grande maioria da sua opinião, pese embora a teimosia de quem representa o poder de momento.

O poder de representação não é o poder da imposição. E o que mais temos tido nestes últimos tempos é, precisamente, uma imposição cega de vontades que nada se assemelham ao mandato conquistado no escrutínio do povo.

A doentia visão de que quem ganha eleições tem de governar até ao fim do mandato, está totalmente desacreditada por quem chegou ao poder contrariando essa mesma prática. Tem de ser-se coerente com o que se diz.

Hoje, porém, o senhor doutor PPC teve talvez o seu primeiro ato de coragem, pelo menos que eu conheça. A TAP continua a ter nos seus aviões uma bandeira que é tudo para nós portugueses. Parece que Relvas perdeu.

Agora, ficamos à espera que a RTP tenha o seu momento de libertação, através do segundo ato de coragem de PPC, obviamente, no meu entender, constituindo a segunda derrota de Relvas, o mau vendedor do estado.

Está pois na hora de se meter o estado, pela mão do senhor doutor PPC, no caminho árduo e difícil da austeridade necessária, mas possível, abandonando de vez as negociatas, que nunca se tinha visto, atingirem a vergonha de agora.

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.