Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

02 Jan, 2013

Mas que confusão

 

Realmente, por mais que nos esforcemos por escolher o caminho mais seguro, acabamos sempre por cair no fundo do poço do qual sabíamos que tínhamos de nos desviar. E quem mais nos avisou foi quem mais nos lixou.

Sabíamos que precisávamos de um governo forte e corajoso para nos levar na senda do progresso e da regeneração, conhecida que era a depressão interna e externa que nos sufocava. E foi quem mais nos prometeu que mais nos tramou.

Avisaram-nos que era necessário um presidente que puxasse pelo país e pelos portugueses, através da sua competência e dos seus conhecimentos em economia e finanças. E foi esse presidente quem mais traiu a confiança do país.

Os portugueses fizeram tudo direitinho para terem o que mereciam. Os elogios agora recebidos desses que os lixaram, que os tramaram e que os traíram, não podem deixar de lhes saber a falsidade e a hipocrisia.

Tanto mais que não param de nos surpreender com as suas palavras de contradições, de confusões e de mentiras que já nem sequer disfarçam. Já tivemos muitos mentirosos, mas nunca com tão pouca classe como agora.

Uns dizem que está tudo bem mas apenas nos mostram o que está mal. Outros dizem que está tudo mal, mas que temos de estar unidos para não ficarmos pior ainda. Que estranha teoria de um novo bem-estar social.

Se tudo estivesse mal, não compreendo como é que se podia estar pior ainda. Mas, se é a vida e o essencial dela que está mal, também não nos serve de conforto que tenhamos de a ir estragando até a perder em definitivo.

O mesmo é dizerem-nos claramente que estamos no fundo do poço. Foi isso que eu percebi. Mas, também percebi que não nos podem salvar, porque ainda ficaríamos pior. O poço onde eu caí não pode ser igual ao dos meus salvadores.