Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

16 Jan, 2013

Com licença

 

Isto fia cada vez mais fino no que respeita às nossas facilidades ou, como muitos preferem, aos nossos facilitismos. Sim, porque se os governos abusam do facilitismo, são os cidadãos que beneficiam desse terrível abuso.

A verdade é que nestes tempos que todos consideram muito difíceis, bem me parece que, para nos complicar ainda mais a vida, substituíram o facilitismo pelo ‘dificilismo’. Até para estar aqui, passo um tempo enorme a pedir licença.

Porém, o pior de tudo é quando peço licença com toda a deferência, respeito e paciência, e tenho de esperar por melhor oportunidade. Por mais que me identifique e mostre a minha senha, como nos tempos da tropa e da caserna.

É óbvio que esta vida de quartel também tem muito a ver com a austeridade e tem muito mais que aquela disciplina escorreita da formação da juventude. O mal é que os mais velhos, que já foram à tropa, voltam agora a marcar passo.

Não contesto, nem nunca contestei a austeridade. Contesto sim, a vida de caserna que nos estão a impor em tudo. Até na caserna se podia viver muito melhor não fora, o dá licença para tudo, e a continência até aos nossos cabos.

Já para não falar na parada, onde não nos permitem um segundo sem estar a marcar passo. E, quando nos dão voz de descansar, à vontade, logo avisam que não é para estar à vontadinha, como ouvi a um imitador de cabo de ordens.    

Sei perfeitamente que os nossos cabos de ordens civis não praticam minimamente os rigores e as exigências da caserna. Não praticam, mas querem que o pessoal as pratique. Dentro e fora da caserna. Fardado ou à paisana.

Agora, até convocam a sociedade civil para discutir, dizem eles, os gastos da caserna. No feijão, na batata, no pão. Mas, curiosamente, os convidados para a aprovação, sem discussão, são todos militares. Logo, a sociedade civil são eles.

Na messe dos sargentos e dos oficiais, que não têm nada a ver com a caserna, não há nada para discutir. Nem a fingir, nem a sério. Nem com a sociedade civil, ainda que militarizada. Ali não há continência. Nem, com licença.