Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

23 Jan, 2013

Quanto maior melhor

 

Segundo tudo, ou quase tudo, indica, o Porto vai ser a maior cidade do país, independentemente de ser já hoje uma nação. Quem o diz é o maior candidato à futura maior câmara, e atual presidente da câmara de Gaia.

O projeto eleitoral que ele apresenta, anuncia a fusão do Porto com Gaia, resolvendo aquele problema de muita gente não saber a quem pertence o leito do Rio Douro. Que por acaso não é contribuinte, senão era mais uma guerra.

Mas, se entre Porto e Gaia há um leito, resta saber se dá para cama de casal, ou apenas de solteiro. É que isto cheira a casamento de conveniência. Com um leito entre as duas, e uma cama de solteiro, não se vê lugar para o amor.

Depois, prevê-se que a Câmara Municipal do Porto volte a ser a sala de visitas do Dragão e, provavelmente, agora, o escritório do Olival. Há quem pergunte se o novo presidente da câmara não terá de ficar sediado em Gaia. 

Porém, muito pior que isso, é a guerra Lisboa/Porto. Obviamente que os lisboetas não quererão perder o estatuto de maior cidade do país. Portanto, quando houver um candidato ao próximo mandato tem de se mexer.

Como tenho um dedo que me adivinha quase tudo, já vejo o atual Presidente da Câmara de Oeiras a assumir-se como próximo candidato a presidente de Lisboa. Mas, para ganhar essa corrida, não pode ficar abaixo do Porto.

Para isso só tem um caminho. Tem de prometer juntar Oeiras a Lisboa. Mas, para que não fiquem dúvidas, e para que também tenha um leito ainda maior que o do Douro, vai fazer mais: anexar o Barreiro e Almada, com o Cristo Rei.

Não só a cidade de Lisboa ficará muito maior que a do Porto, como ainda o leito do Tejo dará perfeitamente para acomodar uma cama de casal. Mesmo sozinho, o candidato a Lisboa tem um peso de respeito, mesmo a dormir.

Quando em Gaia se souber destas movimentações lisboetas, para retirar mais uma vez a dimensão que o Porto merece, vai exigir-se a intervenção da tutela autárquica, para que não sejam permitidas decisões copiadas.

Cá para mim, terá de haver uma acareação entre Luís Filipe Menezes e Isaltino Morais, com o ministro Miguel Relvas a acarear. Talvez isso tenha de meter futebol. Então, Relvas terá de convocar Pinto da Costa e Filipe Vieira.

Filipe Vieira vai alegar que está em superioridade na questão das autárquicas. Simplesmente, porque o Seixal já é concelho, enquanto o Olival, alegará ele, é apenas um lugarejo de Gaia. Pinto da Costa sorridente, dirá que já tem câmara.