Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

24 Jan, 2013

Felizes de novo

 

O grande desafio do país era provar aos agiotas estrangeiros que podiam ter a certeza de que nós iriamos pagar tudo aquilo que pedimos no passado e viemos a pedir agora e no futuro.

Essa garantia e respetiva confiança, só foi possível devido às mudanças entretanto verificadas nas linhas orientadoras que vieram dos nossos tutores, não só para nós, como para aqueles que estão mesmo piores que nós.

O nosso governo pretende agora convencer-nos de que foi a sua política de ruina da economia, das famílias e do estado, através de um processo de ajustamento alterado e desajustado, que nos está a salvar.

O governo apenas provou que tem todo o talento do mundo a obter vitórias com o suor dos outros. Aí sim, o governo é campeão a dizer que faz, o que manda fazer aos outros. A exibir troféus que tirou das mãos do povo.

O governo provou que já consegue pedir mais dinheiro para gastar como bem entende. Mas ainda não provou como vai pagar tudo aquilo que deve que, e isso não o diz, vai crescendo a cada dia que passa.

O governo ainda não provou como é que vai sair desta ‘espiral recessiva’, apesar de estar cheio de esperanças de que, com mais empréstimos para dar a bancos egoístas e esbanjadores, vem aí mais trabalho e mais produção.

Vêm aí com certeza mais encargos especulativos para as pequenas e médias empresas e para as famílias, se quiserem ter acesso ao dinheiro que o governo tão generosamente mete nos bancos, sem nada garantir a quem a eles recorre.

É fácil garantir que o povo português é sério, que vai pagar tudo até ao último cêntimo, que vai valer a pena dormir na rua, sem a casa que lhe tiraram, que vai valer a pena andar a caminho de uma instituição de marmitas na mão.

É fácil ir na onda de elogios próprios e alheios, daqueles que nos estão a comer quase tudo o que sai do corpo dos poucos que ainda trabalham. Mas, também é muito fácil fechar os olhos e os ouvidos aos muitos que ainda querem ajudar.

Há sempre uma maneira de nos considerarmos felizes. Mas, a pior dessas maneiras, é não vermos a infelicidade que a nossa felicidade está a causar em quem nos rodeia. O dinheiro só faz feliz a quem o tem.