Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

14 Fev, 2013

Porque não entram?

 

Fiquei a saber que há fiscais a pedir fatura às pessoas que andam na rua. Ao que parece, quando as pessoas saem das lojas ou dos restaurantes. Sinceramente, ainda não percebi este desperdício de pessoal das finanças.

Contrataram tanta gente para fiscalizar a passagem de faturas e acabam por colocar esse pessoal a fiscalizar quem as recebe. Quer isto dizer que não interessa passar ou não passar faturas, mas sim quem as recebe ou não recebe.

O mesmo é dizer que é mais importante fiscalizar os consumidores à saída dos estabelecimentos, que entrar lá dentro e fiscalizar os prestadores dos serviços. Realmente, o país tem cada vez menos gente capaz de pensar e agir a sério.

Ainda somos um país de touradas e de toureiros, com arenas cheias, onde valentes forcados pegam de caras os touros mais pesados, sem medo, mostrando que seriam capazes de pegar os incumpridores mais renitentes.  

Se os fiscais das finanças andam a pegar de cernelha, os incautos consumidores, na rua, seria bom que os trocassem por forcados intrépidos que entrem lá dentro e peguem de caras os infratores avessos às faturas.

Porque, no meio desta arena onde a gritaria se sobrepõe a todas as leis, também é preciso convencer os forcados que apenas sabem desempenhar o papel de rabejadores de que, quando lhes falta força e coragem, fora com eles.

Aliás, há muitas atividades onde a força e a coragem são completamente inexistentes em quem a devia ter, permitindo que as leis sejam simplesmente um meio de alguém ‘marrar’ apenas com quem lhe apetece.

Senhores das finanças, das polícias, dos tribunais e outros que tais, organizem-se, sejam solidários uns com os outros no cumprimento da lei, lembrem-se que é para isso que o povo vos paga. Não tenham medo das pegas de caras.

Sou totalmente contra as touradas reais e contra todas as sevícias de qualquer espécie. E logo hoje, dia dos namorados, a falar de coisas tão chatas. Hoje, até concordo que ninguém ‘marre’ com ninguém. Mesmo por causa das faturas.