Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

13 Mar, 2013

Estudos e canudos

Parece-me evidente que Miguel Relvas terá várias insuficiências que o desaconselham para ocupar o lugar que detém no governo. Alguém ligado à CT da TAP, refere a falta de estudos para tomar decisões certas e fundamentadas.
Por outro lado, parece-me que Vítor Gaspar tem estudos a mais para se integrar corretamente num governo que aparenta ter, todo ele, estudos a menos. É que até nisto dos estudos tem de haver um certo equilíbrio.
Quem estudou demais pode ter perdido muito tempo fora do concreto da vida. A vida não são só estudos, com mais ou menos canudos. Quem estudou de menos, mesmo cheio de canudos, pode conhecer só a parte rasteira da vida.
Tudo indica que Relvas conhece bem a vida rasteira que se desenvolve nos meandros da política, enquanto Gaspar conhece muito bem a movimentação dos números nas altas esferas, onde as pessoas não passam disso mesmo.
Face a esta realidade que domina a governação nacional, parece-me que o país só teria a ganhar se Relvas fosse frequentar um bom curso em Paris, numa boa universidade. Entretanto, Gaspar faria um tirocínio pelas concelhias do PSD.
Para que o governo caminhasse definitivamente para uma situação mais equilibrada na sua estrutura, Passos aproveitaria para se integrar num circo ambulante, aprendendo a arte de se aguentar com a vara em cima do arame.
Após estes três tirocínios os poderes entre os três maiorais do governo estariam tão equilibrados que jamais precisariam de depender uns dos outros para saberem lidar com a troica, aceitando ou rejeitando o que ela quer impor.
Se não conseguirem impor-se-lhe, então, não têm alternativa. O PSD tem valentões que ninguém verga nem domina. Chamem-nos para enfrentar a troica. Quem são eles? Isaltino de Morais, Valentin Loureiro e Macário Correia.
São homens que sabem o que querem e sabem como consegui-lo. Aliás, se acaso houver algum pequeno imbróglio que lhes escape, lá estarão os seus amigos, alguns deles bons advogados, para fazer cumprir as suas leis.