Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

Se não puderes vencer os assaltantes que te obrigam a entregar-lhes tudo o que tens, junta-te a eles. De contrário, ainda te brindam com um tiro entre os olhos, ou uma facada dum lado ao outro da camisa, que fica sem conserto.

Promete-lhes que vais propor uma moção de confiança a esse bando de malfeitores, para que não duvidem de que te convertes à política de extorsões e à roubalheira dominante. Promete-lhes que nunca os censurarás.

Se por acaso encontrares um tal de Montenegro não cometas o desplante de o olhar de frente. Se o fizeres, ele garantirá que estás a censurá-lo, logo, que brincas com a tua integridade física, ao manter o tabu da moção de censura.

Para tua segurança deves, sem hesitações, trocar o que pensas sobre os atuais governantes, por uma postura de permanente acusação dos governantes anteriores, por mais que penses que estes de agora são muito piores.

Nunca te esqueças que estás perante um grande inventor de alarvidades, talvez mesmo um dos maiores no reino da parvoíce. Daí que eu, que não tenho nenhum medo dele, lhe apresente a primeira moção de censura da sessão.

A segunda moção de censura vai para o PCP. Porque tem a coragem de apresentar moções de censura a todos os governos, de todos os tempos, exceto o do Vasquinho, e ter a coragem de meter sempre o PS ao barulho.

Isso quer dizer que, tal como o Montenegro e o seu partido, o PCP, e o BE também, não teriam razão de ser, se fossem capazes de ser autónomos nas suas iniciativas, recorrendo às suas capacidades para governar ou ser oposição.

A terceira moção de censura vai para o PS. Porque o país não precisa de um caixeiro-viajante a tempo inteiro, que mais não faz que vender o seu peixe, coisa natural se for fresco mas, sempre o mesmo, acaba por cheirar mal.

Porque hoje se está a falar muito no Centro Cultural de Belém, apresento a quarta moção de censura ao seu ‘pai’, ou ‘parteiro’, segundo o próprio. Pois, se tem dúvidas sobre a paternidade, deve fazer de imediato o respetivo teste.    

Mas também porque o doutor Santana Lopes e os seus pares à época, que tanto têm falado de despesismo, de obras de fachada e de elefantes brancos, se deviam incluir no número dos que devem prestar contas ao país.

Para o governo, não posso deixar de apresentar uma moção de confiança. Porque o chefe Gaspar e o adjunto Coelho, se propuseram riscar Portugal do mapa e a coisa vai. Não era fácil, mas com persistência tudo se consegue.

A segunda moção de confiança vai para a RTP e para o seu supervisor governamental, o celebérrimo Miguel Relvas. Segundo notícias fresquinhas, a televisão pública vai trazer José Sócrates para o nobre missão de comentador.

As movimentações não tardaram. É evidente que há quem goste de ouvir apenas os antigos do costume: Marcelo, Marques Mendes, e muitos outros que pululam por aí. Não tenham medo, Sócrates não vai mentir mais que os outros.

Aposto que Relvas está a jogar a sua cartada de mestre, porque não acredito que tal vinda se deva a um negócio de cervejas. A RTP vai abrir a porta da arena, onde espera que o sangue, suor e lágrimas, limpem a caca que lá há.

E agora deixa-me lá fechar a matraca, não venha por aí o bando de assaltantes que descubram que eu também sou um desses portadores de tabus perigosos. De tabus só pode haver um. O da ocultação da roubalheira e mais nenhum.

 

PS: O meu contributo para o dia da poesia:

 

"Reparo numa velhinha

Que passa por mim olhando

Vai triste vai caladinha

De todos desconfiando"