Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

03 Abr, 2013

Cenas sem narrativa

 

Cenas não faltam por aí para nos dar a volta à cabeça. Desgraçadamente, nem sequer há quem nos faça uma narrativa das suas origens e, muito menos, das suas consequências. Assim, há muito tempo que nos colocaram fora de cena.

Portanto, há cenas a mais e narrativas a menos. Com a agravante de uma ou outra narrativa recebida por via da especulação, nos deixar à beira de outras cenas que até podem ser tristes, senão mesmo dramáticas. Boas é que não.

Chegam-nos notícias de que o Tribunal Constitucional só vai fazer a narrativa dos seus bem guardados segredos, acumulados ao longo destes três últimos meses, depois de discutida a cena da moção de censura do PS ao governo.

Já sabíamos que o governo quer uma Constituição à sua maneira. Ficamos a saber agora que o TC tem uma interpretação das leis constitucionais, consoante o resultado do que diz o PS e do que faz o governo como resposta.

Faz pois todo o sentido pensar que estas cenas estão intrinsecamente ligadas à narrativa que mais jeito der para uma decisão, que até podia já não servir para nada, se a moção fosse aprovada. Não é o caso, segundo a narrativa normal.

Já ninguém compreende estas cenas de silêncios de gente altamente responsável pelos destinos do país, quando proliferam narrativas que os põem em causa, e quando bastariam duas linhas de uma narrativa séria e atempada. 

Provavelmente, tudo isto não passará de cenas que visam manter, senão ampliar, o já vasto campo de atuação da catrefada de narradores, que trazem o país suspenso das suas cenas, muito mais que das suas narrativas.

A continuar nesta senda de inovações, muitas coisas haverá a extinguir por desnecessárias. A primeira delas, seria a Constituição, essa que cada um quer à sua maneira e que já não há quem a saiba interpretar sem lunetas distorcidas.

Sem Constituição, também não precisamos do TC. Para o substituir, cria-se o Conselho de Narradores. Vai tudo dar ao mesmo, mas ao menos faz-se a vontade ao governo, que estrutura, mudando apenas o nome às coisas.