Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

09 Abr, 2013

PROIBIDO

 

No meio desta bagunça nacional havia que pôr ordem nisto, por muito que isso custasse a muita gente. No entanto, houve a louvável preocupação de abranger, simplesmente, aquela quantidade de gente que valesse a pena.

Evidentemente que não era a mesma coisa, proibir os fumadores de havanos puros, ou proibir os fumadores de cigarros normais. Portanto, quem quiser manter o vício que se converta ao charuto. É apenas um exemplo.

Um exemplo para definir políticas de proibições. Quem tiver muitos milhões, não está proibido de fugir ao fisco. São poucos, dizem, coitados, nem resolveriam os problemas do país. Proibido fugir do fisco é para os outros.

Vai daí, o homem das permissões e das proibições, entendeu que estava cansado de ser enganado pelos pobres contribuintes que, normalmente, também são os contribuintes pobres. E como são muitos, toca a caçá-los. 

Era preciso proibir a sério, pois o país não aguentava tanta permissão. Como facilmente se constatava, cada um fazia o que queria, desde comprar e vender tudo, até consumir o que não havia. O difícil era disciplinar as proibições.

E é assim que a partir de hoje, e por ordem superior, em todas as instalações sanitárias, públicas ou privadas, fica proibido o uso de papel higiénico, bem como a abertura de torneiras de águas, ou descarga de autoclismos. 

O responsável por esta proibição garante que esta medida visa colmatar o atual excesso de limpeza que custa ao país o equivalente ao défice de sujidade que os seus causadores obrigam a que se ponha termo imediatamente.

Dizem que o país necessita desta medida radical, a qual tem de ser acompanhada da proibição de comer fora, durante todo o dia. Que é como quem diz, comer e ir à casa de banho, só e apenas durante a noite e em casa.

O responsável por esta medida que vai salvar o país do excesso de perfumes caros e comidas sem fatura, garante que ela é constitucional. Escusam pois os habituais recalcitrantes de pedir a sua fiscalização preventiva.

A única permissão atribuída aos mais sensíveis e sujeitos a contra indicações, será o uso de máscaras anti gases, depois de obtida licença do governo e da troika, permissão que também lhes está atribuída por lei, a título de exceção.

Escusado será dizer que ninguém fica de fora desta mobilização geral, por se tratar da salvação do país e de uma ordem irrecusável de quem tem mandato indiscutível para a dar. Portanto, fica o aviso aos irresponsáveis do costume.