Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

30 Abr, 2013

DOIS ANOS À ESPERA

 

Como os portugueses são particularmente pacientes, estar dois anos à espera não tem a importância que alguns, poucos, os mais impacientes e ansiosos, lhe querem atribuir, vendo nisso coisas que aos outros nem passam pela cabeça.

O que tem importância, e muita, é o facto de estarem convencidos de que vale ou não vale a pena esperar. Se acreditam ou não acreditam, em todos aqueles que os obrigam a longas esperas, cujos resultados são sempre novas esperas.

Há dois anos que estamos à espera que o presidente consiga enviar recados assentes numa linguagem clara, objetiva, com destinatários concretos e bem identificados. Linguagem que não seja baseada em sílabas pausadas ou caretas.

Há dois anos que estamos à espera que o primeiro-ministro ponha cá fora as medidas que, ao que parece, é obrigado a tomar agora. Que já terão de ser outras bem diferentes das que podia ter tomado em devido tempo.

Também há dois anos que Portas anda a encanar a perna à rã. E a rã nunca mais coaxa como o exigia uma encanação perfeita, feita por um especialista em encenações, o que leva a pensar que mergulha para fugir do mau ambiente.

Já lá vão dois anos, desde que Gaspar se fez, voluntariamente, escravo de uma Europa que o trata a pão-e-água, obrigando-o a manter sempre os olhos abertos, mesmo enquanto dorme. Resultado, papilas cada vez maiores.

Já lá vão dois anos que Álvaro anda a dormir na forma por não fazer nada. Mas fala. Agora, mais uma vez, acordou a falar muito, sobre aquilo que ouviu dizer a quem anda a sonhar alto para ele ouvir. Mas, consta que é surdo como portas.

Andámos dois anos à espera que Relvas se fosse embora. Contrariado, mas foi. E foi sozinho, o que até foi uma surpresa. Portanto, continuamos à espera que os outros vão pelo seu pé, já que quem pode não empurra mesmo nada.

Andamos há dois anos à espera que todos os outros façam os trabalhos de casa. Mas, vão acabar por fazer esses trabalhos apenas quando regressarem a casa. E as mudanças estruturais de que falam, já serão feitas no sossego do lar.

Apesar de tudo isso, Seguro nunca mais chega onde quer. Anda há dois anos a tentar engrossar a voz, mas os resultados são tão lentos que nem daqui a outros dois consegue meter medo a alguém. Continua na lista de espera.