Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

24 Mai, 2013

Chegou o momento

 

Eu diria que chegou o momento de iniciar o recuo, pelo menos na retórica dos diletos governantes, que nos têm oferecido tanta banha da cobra. Ia a dizer impingido mas não me parece correto, pois já não conseguem impingir nada.

Também ia dizer que já não impingem nada a ninguém, mas tal também não é correto. Ainda impingem tudo a um ou outro ‘special intelligent man’, que não suporta as vozes que o incomodam, mesmo tendo a opção de não as ouvir.  

Mas, enfim, como até eu consigo suportar quem tanto mal me tem feito, não vejo por que razão não havia de suportar quem apenas gosta de quem me faz mal. E o problema não é só o mal que me faz, mas o mal que fazem ao país.

Chegou o momento dos governantes virarem o disco para ver se, com a nova música, ganham alguma aproximação, que substitua a repulsa dominante dos que já não têm ouvidos para tantos discos riscados. Alguns até já partidos.

Chegou o momento de engolir como bom, tudo aquilo que tanto mal tem feito a tantos estômagos sujeitos às mais estúpidas restrições, em nome de uma justiça que só tem discriminado positivamente quem menos precisa.

Chegou o momento de repensarmos o nosso modo de expressão, não vão os que tanto abusaram de uma linguagem de estrebaria, considerar-se ofendidos na honra que nunca tiveram. No conceito de justiça que sempre traíram.

Se este momento de recuo não atingir os resultados que estão a ser proclamados com tanto entusiasmo, então chegou o momento decisivo para que os seus mentores e defensores, recuem também em tudo o que têm dito.

E nem sequer jogam a seu favor os muitos empurrões de que de têm beneficiado. Tudo indica que esses empurrões, internos e externos, só nos levam a concluir que, infelizmente, tudo aponta o abismo como destino.

Chegou o momento de se aclararem as bojardas que nos trouxeram até aqui e continuam a ouvir-se, para que se prossiga nesse percurso que, para o nosso mal, não há um único indicador que o valide seriamente. É isso que conta.