Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

09 Jun, 2013

VOLTA BAVA

 

Cada vez percebo menos esta nossa troika interna, talvez porque tenhamos maduros a mais, os quais, embora não integrem o terceto principal, tocam instrumentos de beiços, que chegam para espantar os pardais de todo o país.

E a verdade é que também espantam os homens que eram capazes de arranjar o milho mais que suficiente para sustentar os pardais espantados. Um desses homens, de seu nome Zeinal Bava, espantou-se para o Brasil depois de dizer Oi!

Só num dia fez crescer o seu negócio 18%. É obra. Se a nossa troikinha tivesse visto o furo, tinha-o posto no governo, ou mais acima, e obviamente no PSD. Com tudo a crescer 18%, o país, o partido e a crise estavam como diz Hollande.

Que disse que a crise na Europa acabou. O homem, chamado Hollande, mas francês de France, está confundido. Deve ter julgado que Portugal já não está nessa Europa sem crise. Não admira, pois até já confundiu o Japão com a China.

Mas, voltemos lá para o senhor Bava, agora no Brasil, e os seus espantadores que ainda por cá estão. Gosto de imaginar a possibilidade de lhe terem entregado a coordenação da nossa troikinha interna. Seria um espetáculo.

Provavelmente, teria já destrocado Relvas por Maduro. Mal por mal, pelo menos, as relvas são verdes, enquanto os maduros já estão podres. Bava não trocaria a constituição, por um país envolto num estado de forte podridão.

Imagino mesmo que Zeinal Bava, já teria trocado toda a troikinha e, sem qualquer surpresa da minha parte, já me teria convidado para seu adjunto. Provavelmente, já me teria pedido para ser eu mandar tudo para o Brasil.

Ora, estaria aí a primeira divergência entre nós. Eu não mandava ninguém embora. Temos por aí muitos empregos dignos que ninguém aceita. E dentro das tabelas dos privilegiados que estão isentos de impostos. Reformas, nada.

Mas, imagino sobretudo, um país 18% mais rico, perdão, 18% menos pobre, com gente altamente qualificada a desempenhar tarefas que qualquer desqualificado desempregado, se dá ao luxo de recusar. Isto era democracia.

Por enquanto, a minha imaginação também se dá a luxos desqualificados. No entanto, Zeinal Bava, quando se aperceber das minhas ideias, o que não tardará, rapidamente deixará o Brasil e virá ao meu encontro.