Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

03 Jul, 2013

PRÉMIO E CASTIGO

 

O país precisa da troika como de pão para a boca, do mesmo modo que não precisa de Portas para complicar a vida do país e da troika. Já é tempo de se tirarem conclusões destes destemperos a que estamos a assistir.

Este programa de assistência que já deu uma machadada na coligação que tem aguentado o governo, já lá não vai apenas com a boa vontade da troika externa, que tudo manda e determina. Está visto que ela não chega.

Daí que se torne necessário e urgente que se crie uma troika interna que se coloque ao lado da externa, e exija ser ouvida, não ao estilo de Passos/Portas, mas ao jeito de quem se quer redimir de silêncios antigos.

A troika de fora pode continuar a mandar, mas quem decide é a nossa troika. Obviamente, constituída por três dos nossos maiores. Cavaco, Passos e Sócrates. Lá no fundo, muito no fundo, eles estimam-se imenso.

Seria, em primeiro lugar, o justo reconhecimento pelo muito que fizeram pelo país e pelos portugueses. Seria o prémio que lhes daria aquele conforto anímico de quem só pensa no bem-estar alheio e não no seu.

Seria ainda a oportunidade de retificarem umas coisitas que, dizem por aí, não lhes correram lá muito bem. Como troika, seriam um órgão colegial, com decisões conjuntas, sem chefes nem subordinados.

Em segundo lugar, seria o castigo de se verem obrigados a fazer agora o que não fizeram no passado: nunca se entenderam. Agora, tinham de falar ininterruptamente, até chegarem a acordo em todas as decisões.

Por mim, gostava de ver quem metia na ordem a quem. Dos três, gostava de descobrir quem era o mais mentiroso, quem era o mais hipócrita e quem era o mais perigoso. Com três protótipos destes o país seria outro.

Até porque não tenho qualquer espécie de dúvidas de que se guardariam uns aos outros, evitando que voltassem a ser o que foram, amanhando-se individualmente. Embora neste ciclo, como troika, estavam bem vigiados.

Portanto, nada de eleições, uma parvoíce, quando temos três que fariam na perfeição, o lugar de um e meio. Em troikas não há meios. Contra a troika dos outros, só uma troika destas nos salvaria.