Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

Tenho a impressão de que a política e alguns dos seus atores, são responsáveis por criar depressões nos que vivem obcecados com os seus inimigos figadais, de quem não aceitam nada do que dizem ou fazem.

Tais depressões são, obviamente, fruto de uma espécie de facciosismo do tipo futebolístico. Os nossos são sempre os melhores, enquanto os outros são simplesmente detestáveis. Os políticos também alimentam facciosos.

Ou não estivessem alguns deles permanentemente a injetar o vírus da sua fação na pele dos seus acólitos. Que não tem nada a ver com a defesa séria e natural dos pontos de vista de cada corrente de opinião.

Há quem não possa abrir a boca que não seja logo acusado de estar a pressionar alguém. Talvez julguem que assim, podem impressionar quem lhes interessa calar. Ou estejam demasiado assustados com o seu valor.

Fariam bem em recordar que há quem nunca se deixou calar, muito menos por vozes que ignoram e não lhe merecem a menor de atenção. Portanto, não é agora que isso vai acontecer, por muito que lhes custe.   

Pensam essas vítimas de depressão que só os seus podem falar sem pressionar. Que podem até asneirar para impressionar. Falar, nunca é pressionar, se houver quem se mantenha firme nas suas convicções.

Quem tem cargos ou lugares de alta responsabilidade, ou tem convicções fortes e deixa falar quem fala, ou está a mais no lugar que ocupa. E, quem só vê pressionados, bem pode ir pensando em curar a sua depressão.

Com a certeza de que qualquer pressionado que aceite sê-lo, não o será muitas vezes. Haverá certamente quem exerça uma compressão atempada que normalize a situação desse impressionante incompetente.       

Tenho a impressão de que anda por aí muita gente com medo de perder as pressões que lhe alimentam o sentimento de fação. E quem se mete por esses caminhos não pode deixar de reconhecer que é um faccioso.

Se alguém quer falar de pressões e entender que as há, e que resultam, então que veja quantas se exercem a cada dia, e a cada hora, no sentido contrário àquele que tantos engulhos lhe causam. São palavras ao vento.