Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

17 Dez, 2008

Solenemente

 

 
A minha vida decorre dentro da normalidade daqueles cidadãos que percorrem as ruas de qualquer localidade, sem o inconveniente de ser olhado como um fenómeno de qualquer coisa. Escusado será dizer que nunca me pediram um autógrafo, nem nunca foi preciso chamar a polícia para proteger as minhas entradas e saídas de qualquer lugar. Quero com isto dizer que tenho de apresentar o bilhete de identidade, cada vez que alguém necessita de saber quem sou.
Tudo isto vem a propósito de ter ouvido agora, com muita frequência, a palavra ‘solenemente’. Como não estou habituado a estar em actos solenes, nem a ver-me solenemente perante cerimónias com essa classificação, deu-me para tentar perceber a razão de toda esta solenidade, repetida até à exaustão em tudo o que costumo ver e ouvir.
Esta curiosidade advém do facto de considerar que não sou grande coisa em português, o que me levou a umas consultas ao dicionário. Pois é, eu sei que hoje é mais fácil ir à Net, mas eu cá sei das minhas razões. Uma delas, é um certo pressentimento que eu tenho, de que é dali que saem muitas confusões de alguns pesquisadores que, depois, contam alhos por bugalhos. Mas adiante.
No meu dicionário, lá estava. Solene: que se celebra com cerimónias públicas, pomposo, majestoso, grave. (lat. Sollemne ou solenne). Aqui, parei e respirei levemente. Levei a mão à cabeça e cocei suavemente, à espera de uma reacção cerebral. Relembrando o caso que me levou à consulta eliminei, logo à partida, a cerimónia pública. Restavam três palavrinhas solenes.
A ‘pompa’ pode ser um aparato solene, sumptuosidade, magnificência, fausto, luxo, vaidade, gala. Virei a página para ‘majestoso’ e lá encontrei: sumptuoso, soberbo, imponente. Depois, fui ao ‘grave’ e vi que lá constava: pesado, sério, importante, circunspecto, reservado, perigoso, intenso, duro, penoso. Havia mais, mas achei que já chegava.
Voltei a coçar a cabeça, agora com um pouco de vigor, pois o enquadramento que eu procurava para o ‘solenemente’ que me martelava a coçada, não era assim tão pouco solene como eu de princípio imaginava. A verdade é que não fiquei solenemente esclarecido, como pretendia e tudo porque, mesmo eliminando o ‘pomposo’ e o ‘sumptuoso’, ficavam-me muitas dúvidas sobre o ‘grave’.
É que, dentro do ‘grave’, ainda havia termos que me confundiam, quando os quis adaptar a uma garantia solenemente dada. ‘Pesada’, parecia-me um termo abalançado. ‘Sério’, deixava-me muitas dúvidas, porque entre pessoas sérias, tudo é, obviamente, sério. ‘Importante’, definitivamente, não, para nenhum deles. ‘Circunspecto’, sinceramente, não sei, pelo que terei de voltar ao dicionário. ‘Reservado’, era aquilo que parecia dever ter sido desde o início. ‘Perigoso’, agora não, só se for mais tarde. ‘Intenso’, parece-me um termo mais adequado a perfumes. ‘Duro’, não, não se aplica a pessoas tão delicadas. ‘Penoso’, com toda a certeza, pois ambos estarão com muita pena que confusões destas tenham acontecido.
Cá por mim, recuso solenemente fazer comentários sobre este assunto, que até pode não ter nada de solene.