Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

15 Jul, 2009

Suja, suja, suja

 

É evidente que suja, só pode ser ela. E, se ela está suja, é normal que cheire mal, logo, é compreensível que nos incomode, pelo menos, a todos aqueles que não gostam de coisas ou pessoas que façam sujeiras, ainda que o façam com cara de anjinhos, que apenas nos põem a pensar em diabruras.
Há quem não goste que se fale nela. Até é compreensível, segundo a minha lógica da batata porque, com ela, essa gente vive e convive nesse meio que a suja a ela, e a todos os que querem, e tudo fazem, para que a sujeira se sobreponha a tudo o que devia ser decência e boas maneiras.
Ela ainda nem sequer se tornou efectiva pois, tal como a pré-mamã, também se encontra na fase pré, o que quer dizer que ainda a procissão vai no adro e o andor ainda nem sequer saiu da igreja. Mas, cá fora, os fiéis esperam pacientemente que as suas rezas e os seus sacrifícios se transformem no milagre da bonança.
Pela amostra que constitui a pré, restam poucas dúvidas de que ela será bem pior que todas as recomendações éticas, ou os aconselhamentos feitos nos recados angelicais vindos das alturas. Porque ela está mais virada para baixo, com muitos sinais de que vai descer cada vez mais, à medida que a sua voz se vá perdendo no meio do calor da discussão estéril, em que os ouvidos ficam completamente obstruídos.
Antes de o ser já está suja, precisamente, porque se convenceu que o não pode ser, convincentemente, se não vomitar porcaria por todos os lados. Não quer dizer que haja porcos e porcas em todo o lado, embora os melhores prognósticos nos forneçam as piores indicações.
Suja, mas mesmo muito suja, porque ela só vê sujeira em todos os outros, esquecendo-se de que uma simples espreitadela a um espelho, lhe revelaria o quanto ela é apenas uma parte de tudo aquilo que lhe enche a vista e a boca.
Ao pensar nela, vejo uma série de rostos desfigurados, vejo expressões de gente que já não sabe o que há-de dizer para impressionar, não a nós, simples números de caderno eleitoral, mas àqueles que, como ela, estão prontos a descarregar toda a sujeira que vão ouvindo a cada momento mas que, com todo o gosto, ainda lhe acrescentam mais uns pozinhos da sua autoria, para que, também eles, não saiam limpos da sua relação com ela.
Já ouvi dizer que ela será a mais suja de sempre. E é sabido que já as houve bem sujas. Estou convencido que será mesmo. Se me perguntassem porquê, eu responderia que ela não tem ninguém que, como lhe compete, fale de si e do que tem para nos oferecer.
Em contrapartida, ela apenas lava roupa suja, muito suja, a várias vozes, como se todos eles tivessem de mudar de roupa a cada minuto que falam.
Ela, como não podia deixar de ser, é a campanha eleitoral que aí vem. O melhor sintoma de que assim será, é a pré-campanha que nós já vemos por aí. Suja, suja, suja.