Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

Dizem que o papagaio é louro e tem o bico dourado. Eu diria que isso é uma maneira simplista de o classificar. Tal como as pessoas têm o cabelo de muitas cores e a boca de muitos feitios, também os papagaios se esmeram por ser bons imitadores, não apenas nos sons que mandam para o ar.
Segundo o meu curto entendimento, o papagaio gosta muito de transformar em bicadas, as palavras que ouve às pessoas, bicadas essas que são consideradas tiradas linguísticas por quem gosta de se assemelhar aos papagaios que mais dão nas vistas. E os papagaios que mais dão nas vistas são, precisamente, aqueles que repetem as asneiras que ouviram sabe-se lá onde, e a quem.
Há papagaios que se ouvem a si próprios com um prazer surpreendente, se atentarmos na maneira como agitam as asas, enquanto vão batendo o bico, em jeito de matraca, com os olhos a rodar trezentos e sessenta graus, à procura de quem lhes esteja dar importância. Sim, porque eles dão muita importância, à importância que julgam que lhes dão aqueles que os ouvem papaguear.
Um bom papagaio raras vezes muda de galho, talvez porque também raras vezes muda de palavreado, quero dizer, de bicadas. Isso não quer dizer que a vida de papagaio seja fácil e, muito menos, cómoda. Já tenho reparado que alguns deles, têm presa à perna e ao galho onde permanecem pousados, uma corrente que nem eles devem saber para que serve. Mas, eu sei.
As bicadas são um hino à incorrigível mania de repetição de asneiras que já ouviram a pessoas que, por acharem muita gracinha à voz do papagaio, largam aquelas bocas que sabem que vão ser repetidas fielmente, interessando-se mais pelo tom bical que, propriamente, pelas palavras.
Algumas pessoas mais sensíveis já têm exigido pedidos de desculpa a papagaios que não olham a quem têm na frente, quando o bico lhes foge para o disparate. Mas, essas pessoas deviam saber que não adianta responsabilizar um papagaio pelos seus ditos bicudos, porque no reportório dele apenas constam coisas daquelas. Coisas que irritam os visados, mas fazem felizes alguns dos que apenas ouvem.
Também não adianta desmentir um papagaio, porque de tudo o que lhe sai do bico, não há corrector que altere o mais leve cacarejo expelido. É palavra de gente, contra bico de papagaio que, na melhor das hipóteses, apenas pode fazer sair outra asneira ainda pior que a primeira.
Portanto, papagaio é papagaio e o resto é conversa deitada ao papagaio para ele repetir, fazendo o possível para que tenha alguma graça, principalmente, por parte de quem adora ouvir papagaios.
Mas, acima de tudo, que ninguém perca tempo, ou caia na asneira de desmentir um papagaio.