Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

27 Ago, 2008

O cão dela

 

 
Ela gosta muito de cães e isso revela que tem um apurado sentimento de protecção para com seres frágeis e uma sensibilidade especial para com animais frequentemente abandonados e maltratados.
Ela faz da sua vida um acto de dedicação à causa da adopção desses animais, o que até lhe permite ter alguma notoriedade no meio onde vive, sobretudo porque a comunicação social local lhe permite aparecer com frequência nas suas referências informativas.
Ela própria já se considera uma referência na matéria, porque tem na sua casa três exemplares de cães sortudos que, provavelmente, tiveram a felicidade de atrair o olhar dela antes de serem adoptados. Bonito gesto.
Porém, há uns pequenos pormenores que os três cãezinhos não entendem e por isso não discutem democraticamente com ela. É a questão do alojamento.
Dois dos animais só esporadicamente vêm à rua, pois podem desfrutar da paisagem que para ela dá, através da permanência num varandim, mais alto que o nível do pavimento da rua.
O outro animal tem o estatuto de porteiro da casa. Vive em frente do portão de entrada, no exterior, durante o dia, sendo recolhido para o interior da residência, quando o sol se esconde.
Durante o turno do dia deita-se no passeio ou no alcatrão, ao sol ou à sombra, conforme a temperatura, levantando-se frequentemente para saudar ruidosamente alguns transeuntes e alguns carros, que ele discrimina positivamente. Os outros dois, do varandim, aplaudem ruidosamente também.
Se alguém passar por ali com um cãozinho à trela, há um alvoroço tremendo na rua e no varandim, capaz de atroar os ares e ensurdecer a vizinhança.
Ela deve saber o perigo que corre o seu porteiro canino. Ela deve saber o incómodo que ele provoca a pessoas idosas e a crianças que se assustam ao passar na via pública. Ela deve saber que não se adoptam animais para os colocar na rua, em frente da porta de casa. Ela deve saber o que diz a lei, quanto à estadia de cães na rua. Ela deve saber tudo o que não devia fazer e dizer.
Porque ela se considera um modelo de perfeição no trato de animais, não devia ser uma transgressora e uma aparente ignorante da lei.
Simplesmente, porque ela dirige o canil municipal da cidade.
Além dela, anda muito boa gente a deitar as leis para trás das costas.
Depois, há um cão acima da lei e pessoas tratadas abaixo de cão.