Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

07 Set, 2009

Será tempo de FL?

 

Antes de mais nada é preciso saber de que FL se está a falar. Sim, porque temos dois, ou melhor, um FL e uma FL que, no total, são dois, mas muito diferentes um do outro. A FL da asfixia democrática e da escapadinha à Alemanha para tirar lá uma fotografia, para provar que esteve lá, até está de acordo com muitas coisas que diz o FL, o tal que não quer concordâncias desse tipo.
Neste tempo de tira teimas, é um privilégio ver e ouvir tudo o que FL, ela, vai mandando cá para fora, através da muito atenta comunicação social, que não se esquece de nadinha do que ela diz pois, neste momento, a estrela é ela. Por mim, concordo plenamente que assim seja, ou não fosse ela a alternativa possível para a ocupação do palácio, cujo inquilino pode estar farto de lá estar.
O outro FL, ele, além de não estar virado para palácios, tem uma propensão especial para ser único, incomparável e castigador, pois no seu estilo gestual inimitável, onde o seu braço esquerdo tem um movimento de abanar que nos cativa, consegue colocar a voz no íntimo de qualquer um de nós, mesmo que não tenhamos nada a ver com qualquer um dos FL.
FL, ela, esteve na Madeira porque, penso eu, já lhe estava a faltar o ar no continente, devido à asfixia que a atormenta, principalmente, em Lisboa onde, segundo a ouvi dizer, quase toda a gente está, permanentemente, a ser vítima de chantagem. Vai daí, toca a fugir para a Madeira, onde ela encontra um governo regional modelo no país e onde, ao que parece, até é eleito, o que lhe confere créditos irrecusáveis.
Perante isto, FL, ele, tem de repensar minuciosamente a sua estratégia, pois ainda não se terá lembrado que o futuro do país passa, sem qualquer tipo de discussão, por AJJ, o único homem capaz de levar o PSD e o país ao topo da Europa e do Mundo. Ora, perante tal realidade, ele, FL, comete um erro irremediável se mantiver a teimosia de estar contra a Europa, mesmo estando do lado do mundo. Do mundo dele, como é evidente.
Esta realidade que nos é trazida por ela, FL, coloca em plano inconfundível, a verdade a que alguns se recusavam terminantemente a aderir, confundindo mentiras com verdades, como se preferissem dar uma boa gargalhada, ao ouvir dizer em tom de galhofa, já chegamos à Madeira, ou quê?
Só não sei se ele, FL, consegue tomar posição, sobre o modelo governativo que está mesmo a chegar, vindo da Madeira, embora tenha de vir de barco, pois é muito maior que a folha A4 do programa de governo do PSD nacional. Mas até convém que demore uns dias, para se poder reflectir meticulosamente, com uns abanões do braço esquerdo dele, FL.
O país, esse pode estar tranquilo porque crise é coisa que não vai haver dentro de poucos dias, já contados ansiosamente pelos afectados pela asfixia democrática. E muito mais pelos constantemente chantageados. E ainda muito mais pelos desesperados que viram apagar-se-lhes umas luzinhas orientadoras dos seus negócios, ou das suas actividades, facilidades e outras modalidades.
Dado que é um momento muito importante da nossa democracia, e perante a novidade FL/AJJ, sugiro que todos os democratas que giram em volta do fenómeno FL, façam a si próprios um teste de verdade, muito simples, bem conhecido, e que consiste apenas em responder à pergunta tão lida nas europeias: Eu assino por baixo?