Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

Ou muito me engano ou já ouvi isto em qualquer lado, mas não sei onde nem a que propósito. Não me admira mesmo nada, porque sei que a minha memória não seria sequer capaz de competir com a de uma galinha normal.
Para mim, os homens do presidente são todos aqueles que o ajudam a tomar as decisões importantes, e a não tomar as decisões que eles prevêem que seriam oportunas demais. Por exemplo, eles nunca aconselhariam o presidente a visitar a sede de um partido que não estivesse pintada com a sua cor preferida.
Todos os homens do presidente têm de ser impolutos, pelo menos até deixarem de o ser, bastando-lhes jurar sob palavra de honra que o são, e que sempre o foram. Depois, como diz o povo, o futuro a Deus pertence.
Agora fala-se muito de um tal Lima, ao que me dizem homem de grande seriedade e competência, com mais de vinte anos de fidelidade, que acaba de cair numa armadilha infantil, inofensiva e até ingénua, saída da imaginação, calcule-se, do homem que tem a mania de se meter em tudo.
Também se fala de um tal de Manuel Fernandes, que diz que viu entrar pelo seu escritório dentro, um tremendo vírus informático que lhe deu volta aos computadores e desatou a mandar e-mails para a Madeira, com resposta paga, como se fossem telegramas do tempo da… alto, que é melhor não dizer. O que se pode dizer, é que foi obra do tal homem que tem a mania de se meter em tudo.
Ainda se fala bastante de um tal Alvarez, isto cheira-me a espanhol, e de um tal Tolentino, talvez italiano, que andaram a trocar mensagens, perdão, talvez não fosse bem isso, mas a coisa parece que foi escutada e foi parar ao público, quero dizer, ao domínio público. Imagine-se, por culpa do homem que tem a mania de se meter em tudo.
Numa segunda fase, apareceram outros homens do presidente, pedindo esclarecimentos, pois as confusões eram tão evidentes, que havia que chamar os bois pelos nomes. Bom, se calhar só havia um boi, confesso. O grande alerta foi dado de imediato por um tal de Aguiar Branco, logo seguido da Manuela. Não havia dúvidas, era tudo obra do homem que tem a mania de se meter em tudo.
Logo de seguida veio o Jerónimo, o Portas, o Francisco, querendo saber como é que era possível acontecerem coisas destas, enquanto o Sócrates, de acordo com o presidente, dizia que não havia pressa em esclarecer isto. Como era possível, o único responsável por toda esta paranóia estranha, não ter pressa nenhuma. Simples, como a tabuada, o homem que tem a mania de se meter em tudo, lá estava.
Depois da tal tramóia, digo, da tal paranóia atingir o Lima, aparece o Pacheco, oh Pacheco, a ver uma guerra do Sócrates contra o presidente. A Manuela a ver a campanha prosseguir como se não fosse nada com ela. Não sei se o Aguiar disse mais alguma coisa. Mas o grande beneficiado, diz o Pacheco e os outros, foi o homem que tem a mania de se meter em tudo.
Mas, depois de muito reflectir sobre esta paranóia toda, cheguei à conclusão que o Sócrates, afinal, também é um dos homens do presidente. Senão, veja-se como ele lá foi pedir este favorzinho em vésperas de eleições. Quem é que é sério, quem é?