Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

20 Nov, 2016

A toque de Caixa

Estive quase, quase, a intitular estas linhas de - um contapé no tu - pois ser corrido a toque de Caixa, ou levar um contapé no tu, é quase, quase, a mesma coisa. Mas, em lugar de se correr com alguém, muita gente obviamente, isto anda tudo em marcha lenta, se é que não se vê a lentidão das marchas paradas.

O andamento está quase, quase, a atingir o desespero dos passados parados, que agora são os atuais apressados, que querem que tudo corra ao ritmo das suas tontas esperanças. Tudo tem de correr a toque de Caixa, daquela Caixa que eles andaram a tamborilar em silêncio, sempre a engonhar, de modo que ficasse com a pele intocável para a marcha.

Mas, o que eles na verdade merecem, é um forte contapé no tu, que os transporte para longe destas jogadas de maus perdedores e inúteis cidadãos, no desejado desenvolvimento do país que eles tanto atrasaram. Podiam e deviam saber esperar pela próxima oportunidade, pois nestas coisas de poder, nada é para durar sempre.

Entretato, podiam e deviam ir ajudando já a melhorar a herança que os seus sucessores vão receber quando esta fase terminar, seja a curto ou a longo prazo. Porém, nunca terminará do modo que eles querem. Porque os seus dislates são um forte incentivo para que dure o mais possível. Isto, é como na bola. Não há campeões para sempre.

O que eles queriam era interromper o campeonato do poder a meio. O que eles desejavam era continuar a ter um árbitro que se servia do apito para interromper jogadas legais e marcar os penáltis suficientes, até que os golos válidos lhes dessem as vitórias e os pontos que levassem os adversários a cair de desânimo, vergados pela força das injustiças.

Não se pode comparar reais ou aparentes coisas que correm mal, com coisas que artificialmente se empolam e se transformam em permanentes situações de conflitos que só prejudicam, interna e externamente, a imagem e os negócios do país e dos portugueses. Depois, os argumentos, não podem ser mentiras com rótulos de verdades.