Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

22 Jan, 2014

ABAFOU-SE

 

 

Se não estou em erro o Jornal de Notícias levantou há dias um problema, zito, de uma venda ilegal de ações que teria provocado mais um rombo de largos milhares, por falta de acertos de impostos com o fisco.

Nada que não seja recorrente todos os dias nas notícias do país. Nada que seja de estranhar, por serem tantos de entre ilustres laranjas que até ocuparam e, ou, ocupam ainda elevados cargos públicos ou privados.

Não deixo de referir que muito me apraz que isso tenha sido uma notícia fugaz. Ou a sua origem era, também ela fugaz, ou foi um abafo que lhe deu. Em qualquer dos casos, o JN devia denunciar o erro ou o abafo.    

Pena é que tanta discrição neste caso, não seja seguido em casos semelhantes, mas noutras áreas, onde se bate até à exaustão nas teclas que acabam por partir, sem que se tenha confirmado desejos ocultos.

Tal como se batem records todos os dias em relação à situação do país. É curioso que esses records batem números de há dois anos e tal para cá. Estamos a melhorar em relação a 2012 e 2013, mas não mais que isso.

Dá a impressão de que o governo só consegue melhorar o mal que fez. Até nisso, há uma tendência mais que evidente para abafar muita coisa que todos os portugueses deviam saber. E calar tudo o que nunca existiu.

Ou o que nunca vai existir. O doutor Pires de Lima foi a Davos, dizem, vender o país. Talvez fosse melhor tentar vender submarinos. E não tentar vender aquilo que ele julga que vai ter no próximo ano. Ele lá sabe o quê.

Em boa verdade, vão-se abafando cada vez mais, coisas que faziam cá muita falta para, em contrapartida, se porem a circular outras coisas que fazem corar de vergonha os santinhos dos altares. Que nem ouvem nada.