Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

17 Out, 2017

Aqui há gato


O regresso de Marcelo à TVI, agora como presidente, faz-me lembrar aquele dito popular que se emprega quando há qualquer coisa escondida que nem toda a gente compreende lá muito bem.
Até me parece que o gato escondido tem o rabo de fora, como que a dizer-nos que não podemos deixar de acreditar que o gato está ali mesmo, sem qualquer dúvida, e querem mesmo que o vejamos.
Marcelo, o bem recordado comentador da TVI, não se coibiu de voltar ao lugar que o guindou à posição que hoje ocupa. Não sei se vai ser criticado ou elogiado pela sua viagem a esses tempos.
Viagem que é tanto mais de estranhar pela forma como se assumiu ali, desempenhando o papel de pessoa comum com os seus sentimentos a voar em forma de quadros quase poéticos.
Parece-me que uma pessoa comum, não se encaixa bem no desempenho da alta missão que pressupõe ter um cargo tão elevado, sem dúvida o mais elevado do país. Logo, não comum.
Parece-me que o presidente não é o dono disto tudo, embora possa dispor dos destinos de muitos que se julgam donos de qualquer coisa pública. Mas até isso tem regras muito claras.
Na TVI, talvez se sinta mais solto para dizer coisas que não diz em Belém, embora, obviamente, só as não dirá se não quizer. E algumas coisas que disse na TVI, não serão simples afetos.
Marcelo até pode acabar com a legislatura do governo quando lhe apetecer. Até pode trocar a oferta dos seus afetos. Retirá-los a uns para os oferecer a outros. Mas isso merecia ser feito às claras.
Às claras, penso eu, que devia ser feito a partir de Belém como presidente e não da TVI como comentador. É que as televisões estão cheias de comentadores da treta. E Marcelo não o é.
Parece-me que a sua análise de hoje na TVI tendeu muito à distribuição de afetos de forma pouco coerente, dadas as vantagens dadas a uns, deixando omissões que prejudicam outros.
Tal diferenciação deixa um coro de interpretações dos tais comentadores do frente a frente, que só contribuem para lançar a guerra de intereses que nada mais dão ao país que não seja ódio.
Marcelo teve o condão de dar ao país uma estabilidade que andava arredia há muitos anos. Espero bem que se esteja a acabar com o ciclo bom e caminhemos para mais um ciclo mau.
(