Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

01 Nov, 2016

As contas dele

 

As únicas contas que ele sempre soube fazer, foram as contas de sumir. E contas de muitos números que lhe saíram sempre erradas. Como exemplo, ele nunca acertou sequer nas contas do que devia pagar ao fisco. E também não acertou nas contas de quanto devia repor, quando se detetou a falta.

Durante quatro longos anos nunca soube o que era acertar nas contas dos quatro orçamentos. Tudo lhe saiu sempre fora do controlo da prova dos nove. Tal como os muitos retificativos. Eis um perito em errar contas. Ele a miss swapeira. O que quer dizer que, com perita suplementar, as contas nunca deram certas.

Hoje, ambos falam com uma certeza de números, que dizem afundar o presente orçamento em discussão, garantindo que as contas do governo estão erradas. Tal garantia funciona, obviamente, como certeza de que as suas contas, desta vez, não estão erradas. Para eles, claro. Para a generalidade dos portugueses, quem errou todos os seus, durante quatro anos, é sinal de que já estudaram o suficiente para se reabilitar.

No entanto, há quem acredite que quem demorou tantos anos a concluir os seus estudos, é pouco provável que, em poucos meses, já tenha conseguido evitar errar as suas contas mais complicadas. E sobretudo, conseguir detetar erros nas contas de quem está habituado a acertá-las.

Porém, quem parece não acreditar em tamanha virtude, são os seus companheiros mais argutos, pois já corre por aí, que o Rio está a subir e o Coelho a descer. Já há quem tema enxurrada lá para os lados da S. Caetano à Lapa. Mas o Coelho, dentro da sua toca, está realmente agarrado àquilo como uma lapa.

Quem sempre primou por fazer bem as contas de sumir, não estará agora a fazer conta de se sumir com toda aquela humildade que nunca teve. Ao que parece, ele nunca gostou de ter aquilo que mais falta lhe fazia. Daí que preferirá ser arrastado da toca pela a enxurrada do Rio.

Porém, como péssimo líder da oposição, está a cometer mais um erro na sua contabilidade eleitoral. A sua permanência na Lapa é a melhor garantia de continuidade daquele que o destituiu. Rio será, ou seria, a grande ameaça para o regresso da Lapa à Baixa do poder.