Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

Porque sei que quem anda à chuva molha-se, ali fico eu atrás da janela, a ver como as gotas de água, mais suaves ou mais agressivas, se atiram contra as duras vidraças, como se cheias de vontade de se atirarem odiosas contra mim.

Não me apetecia nada começar logo no primeiro dia do novo ano a levar pancada. Nem mesmo de uma chuva incómoda e teimosa. Bem me basta a penosa ideia de anos a apanhar pancada dura sem ter feito mal a alguém.

Por outro lado, também não quero começar o novo ano a bater em ninguém. Nem mesmo com as pontas destes dedos que vão agredindo as teclas indefesas. Se a quadra natalícia era para ser vivida com paz e alegria, agora a luta continua.

Mas, com os piores guerreiros mais calmos, espera-se que as lutas sejam mais leais, logo, mais serenas, menos odientas e mais produtivas. Sim, porque até as lutas podem servir para produzir bom senso e humanizar gente descontrolada.

Hoje, primeiro dia do novo ano, é dia de mensagem presidencial. Aposto que, contra muitas espectativas pessimistas, ou demasiado otimistas, conforme os expectantes, vamos ter palavras de bom senso, com sorrisos de despedida.

Na linha de otimismo da despedida de Paulo Portas da próxima saída da liderança do seu partido, bem como da linha de suavização da linguagem de Passos Coelho. Que não quer dizer que tenham abandonado as suas lutas.

Tal como as não abandonarão o Bloco e o PCP, por muito que as estranhem aqueles que julgam que só se luta para destruir. Que são aqueles que ainda se mantêm com o pensamento nos tempos de lutas para matar ou ser morto.

Quanto a Costa e o PS, parece que cada vez assustam menos medrosos. Os seus êxitos e os seus fracassos não dependem apenas das suas vontades. Mas também não dependem só da vontade daqueles que não aceitam que existam.

Portas, pelo que transpareceu no meio jornalístico, tomou a decisão de se afastar de líder partidário, após uma reunião com Costa no Rato. Não creio que Portas se tenha deixado triturar, depois de tanto ter tentado triturar os outros.

Tal como as palavras que Paulo Portas utilizou para o seu partido, penso que o Presidente vai hoje ‘refletir’ sobre tudo aquilo que disse nos seus discursos. ‘Reposicionar’ os seus pensamentos e desejos. Para ‘recomeçar’ uma nova vida.

Afinal, todos os políticos têm o seu lado bom. Portas é muito bom a pensar, a falar e a escrever. Acontece que nem sempre pensa que, o que é bom para os outros, nem sempre é bom para si. E estes quatro ‘rrrr’ terão nascido no Rato.