Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

06 Out, 2020

Cavacando

Cavacando
Vêm aí não sei quantos milhões por dia, nem quando chegará essa bandeja dourada a transbordar de notinhas novas para distribuir não sei por quem, nem tão pouco sei quando tudo isso vai acontecer. Mas que vai acontecer, vai de certezinha absoluta e o alvoroço entre corruptinhos e corruptões é indescritível.
Imagine-se o medo, o pânico, em que toda essa pleiade de amigos de Portugal e dos portugueses mergulhou, só de pensar que tanto dinheiro não vai chegar aos bolsos deles mesmos, ao contrário do tempo em que outros bodos vindos da mesma origem, os encheram de prendas do tipo de carros topo de gama e mansões de lucho lá para os algarves.
Quase como agora, mas em menor escala, era suposto modernizar Portugal e melhorar a vida dos portugueses. Estavamos então em pleno reino do cavacando. Cavacava-se a propósito de tostões e de milhões. Obviamente tostôes para a maralha, milhões para a canalha. Canalha graúda obviamente, a qual desbaratou a vida da maralha dos tostões.
É a mesma canalha de então que agora se escavaca para não deixar que a maralha respire um pouco. Nesse sentido, aqui estou eu para pôr ordem nesta desordem que me põe a cabeça à roda. Para evitar tanto medo, tanto pânico, resolvi antecipar-me a tudo e a todos no sentido de garantir uma distribuição séria, justa e independente.
Para que tal aconteça e para evitar que se lancem suspeições sobre quem está na ordem natural para o fazer, lembrei-me que nada melhor, que seja a canalha a supervisionar essa tarefa monstruosa de impor que a corrupção seja afastada de vez e ninguém mais tenha o descaramento de duvidar, definitivamente, de que tudo será sério.
Vamos lá então a isto. Para ocupar o lugar de Supervisor Geral de Controle, deve ser nomeado o representante-mor do movimento Cavacando. Para Vice Supervisor Geral, deve ser nomeado o globalmente irrevogável de feiras e submarinos. Para vogal da Supervisão, que venha o 1º encavacado na fuga de impostos.
Obviamente que estas personalidades serão sempre e acima de tudo, uma Comissão de Honra, pois quem estará no terreno serão os seus antigos aliados, amigos, defensores e continuadores. Estes sim, serão os dignos cavacandos, cavacadores e autênticos cavacos retirados de uma fogueira, de onde já saíram brasas para muitas lareiras, agora de cinzas.
É convicção de muitos portugueses que estes resquícios de cinzas de cavacos, múmias de tempos quase imemoriais, já não contam, tal como não conta já o modelo de democracia que praticaram. Porém, surgiram novos fenómenos de outras espécies que estão nitidamente preocupados em escavacar o país, para ver se sobra algo que lhes sirva.