Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

24 Abr, 2015

COISA ESTRANHA!...

 

Volta não volta, lá aparece o PS misturado com o PSD/CDS em iniciativas destes dois perturbadores da democracia. Coisa tanto mais estranha, quando estamos precisamente na véspera de lhe comemorar os 40 anos.

Como diz um jornal espanhol, os quarenta ainda se comemoram, mas é bem provável que não aconteça o mesmo com os quarenta e um. Aliás, o que se vai comemorar agora, é já um atentado à liberdade de expressão.

Não admira pois que, de ano para ano, se venha a perder o entusiasmo por comemorações que, de populares, nada têm. Obviamente, que por obra e graça de uma certa direita que nunca digeriu bem a democracia.

Realmente, a coisa mais estranha de tudo isto, é que o PS se deixe envolver nesse novelo, sejam quais forem as razões que invoque para se justificar. O tempo já mostrou que sempre se sairá mal com tais misturas.

O PS tem obrigação de detetar à légua todos os movimentos da direita no sentido de desvirtuar a revolução. Ainda que mascarados de boas intenções. O PS tem obrigação de ser a melhor referência do 25 de Abril.

Infelizmente, também nem sempre o soube ser, no meio de tantos atropelos a uma democracia que, de uma maneira ou de outra, todos os partidos têm atraiçoado. Uns por excessos de zelo, outros por puro ódio.

Daí que o PS esteja numa posição que devia ser sempre de fiel da balança, pois está posicionado entre os que mais se opõem aos ideais de Abril e os que abusam de excessos na sua defesa. Depois, o passado fala por si.

Esta guerra da cobertura da campanha eleitoral não tem ponta por onde se lhe pegue. Se o PSD tentou dar mais um passo para limitar uma comunicação social já meio amordaçada, fez mal em querer ainda mais.

Se o PS pensou que levaria o PSD e o CDS a aceitar um equilíbrio que neste momento não existe, avaliou muito mal as possibilidades de êxito. De qualquer modo, nunca o PS, como um todo, aceitaria entrar nessa tontice.

Quem se entretém a fazer comparações para deitar poeira nos olhos dos incautos ou distraídos, bem pode acautelar os seus. Sobretudo, quem já tem graves distorções visuais. A cegueira é uma coisa terrível na política.