Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

afonsonunes

afonsonunes

21 Jan, 2018

Coisas da vida


É um facto que a rapaziada da conversa fiada que circula na comunicação social anda a perder gás à medida que o tempo vai passando e os resultados da governação não lhes deixam senão dúvidas e esperanças de que o futuro lhes satisfaça os seus desejos.

Deve fazer-lhes uma confusão tremenda ouvirem altas personalidades, incluindo integrantes de organismos europeus e mesmo de fora da Europa, contrariar aquilo que tanto despejam no ar deste país que eles tanto amam.

Até parece que, cada vez menos, têm assunto para ocupar as suas intervenções escritas, faladas, com ou sem imagem, na imensidade de programas, sempre com nomes pomposos.

Já para não falar na infinidade de gente desqualificada, tantas vezes ignorante, quando não propensa a distribuir as suas alarvidades nas caixas de comentários dos jornais.

Mas o que dá mais nas vistas, são muitos dos profissionais assíduos de jornais, rádios e televisões que ainda ontem se esganiçavam com montes de historietas que rebuscavam, alteravam e repetiam até à exaustão, para criar o ambiente que tanto desejavam.

É evidente que essas novelas que foram trazendo para poluição da vida, foram sempre caindo no vazio do tempo, dada a falta de sustentabilidade dos argumentos que eram apresentados como indesmentíveis.

Tudo porque não há maneira de responsabilizar quem inventa, ofende e destrói vidas com os seus desmandos, tantas vezes com intenções criminosas e retirando daí interesses de vária ordem, não havendo justiça que lhes pegue.

Como se tudo fosse normal. Quantas celebridades, com crimes provados, ou não, julgados ou em processos de investigação de anos sem fim, com passagens breves por prisões, que para quase todos foram aparentes injustiças.

Para uns, com aparentes motivos forçados no tempo e no modo, enquanto para outros, depois de condenados, com passagens episódicas em relação às penas que já lhes foram aplicadas.

Daí que se fale tanto, agora, do pacto da justiça. Lá esperança de que as coisas mudem radicalmente, é coisa que não falta em quem acredita num mundo melhor, ao menos nesse aspeto.

Mas que não haja dúvidas de que há quem tudo fará para que nada mude, ou não houvesse tanta gente a sustentar-se destas situações.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.