Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

03 Jul, 2016

Com poucos

 

Schauble quer começar a Europa com poucos. Não sei o que esta triste figura quer dizer com poucos, porque se ouvem vozes de gente que mais parecem outra coisa. Ainda me lembrei de que há vozes de burro que não chegam ao céu, mas a verdade é que também há vozes de burro que chegam aos infernos.

Hoje em dia fico muitas vezes na dúvida se são mais fortes as vozes que chegam ao céu, ou as que chegam ao inferno. Aliás, o céu e o inferno andam muito nas bocas das mesmas pessoas que, ora se viram para cima, ora se viram para baixo. Vá lá saber-se onde está o céu ou o inferno.

Daí que me pareça que, se a Europa tivesse começado com menos, ou com poucos, talvez não fosse o que é hoje. Mas com poucos de qualidade, principalmente, sem aqueles que, como Schauble, só lhe trouxeram o destino do inferno que ela é hoje. Por exemplo, com discípulos como Durão, Cavaco, Passos e Portas.

Na verdade, a Europa até começou com grandes figuras, de vários países. Mas os lobos entraram no bardo e o rebanho começou a ser dizimado. Sem que antes se tivessem afastado pastores e cães, para que o rebanho ficasse à disposição das feras mais sanguinárias. Sob a capa da democracia, temos hoje a pior das liberdades controladas por donos do povo.

Há uma certa tendência para contrariar este estado de coisas, mas os tais donos disto tudo, como têm tudo menos democracia, usam e abusam do seu poderio para subverter, inventando tramas, boicotar e difamar, para que ninguém se lhes atravesse no caminho. Eles dominam o dinheiro e com ele, fazem as campanhas necessárias para que nada mude.

Schauble ataca com a campanha do medo e dos mercados. Durão, põe-se ao lado dele, como sacristão que já não é, numa missa em que as suas rezas pretendem apenas que lhe sejam perdoados os pecados que foram mortais para muita gente e em muitos aspetos. Cavaco, Passos e Portas já foram, mas continuam ídolos de Schauble, na esperança de que, nem o tempo, nem a justiça vindoura, desvendem muitos mistérios que andam muito mal-escondidos.