Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

 

Temos muitos Costas em diversas atividades, espalhados pelo país. Também já tivemos, e temos ainda, alguns bons Costinhas. Mas há três Costas que superam tudo. Dois são Antónios e um é Carlos.

O Carlos está agora na berlinda, depois de ter sucedido a um Constâncio que, como é habitual no país, depois de queimado cá dentro, foi dar lições lá para fora. Mas este Carlos ainda cá está.

Um dos dois Antónios dá lições económicas para todos os Medinas e Bessas que aprenderam muito depois de já não lhes servir de nada. A não ser para espantar quem se espanta com fantasmas televisivos.

O outro António anda agora numa roda-viva para superar o Antoninho. De costas voltadas, o António sobressai, por ser mais alto, mais robusto e mais claro e conciso. O Antoninho está a minguar.

A minha conclusão é linear e dispensa critérios técnicos de avaliação, variáveis entre fachos, comunas e os outros. Até porque eu não sei o que sou. É uma vantagem sobre os que só veem o que são.

De Costas estamos bem servidos. Assim o estivéssemos de tantos outros nomes que não estão a soar nada bem, até de frente, aos ouvidos dos que um Silva e um Coelho não conseguem tranquilizar.

Um bancário, um camarário, um jornalista. Os três colocados ao mais alto nível das suas ocupações. Se estão todos a trabalhar bem ou mal, só o tempo o dirá. Porque, como na bola, prognósticos só no fim.