Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

afonsonunes

afonsonunes

 

 

O bacalhau salgado tem de estar de molho uma infinidade de tempo até poder meter-se no tacho para que possa meter-se-lhe o dente. Salgado sempre foi intragável, mas o insonso é um desconsolo.

Há já algum tempo que os bancos se tornaram numa pilha de sal para as pessoas que tiveram a desdita de recorrer a eles, mas também para aqueles que nem lhes passavam à porta. Mas tiveram de entrar.

Sim, tiveram de entrar com o dinheiro que os salgados fizeram sair. E que a justiça não foi capaz, ou não o quis ser, de fazer regressar às origens. Ao que parece, houve muitos salgados nesta bacalhoada.

Diz-se que ela, a bacalhoada, já vem do BPN. Mas anda tudo à solta. Sem indícios de necessidade de por o bacalhau de molho. Como o Vale e Azevedo. O único que a justiça tem mesmo de ter de molho.

Justiça que se desfaz em energias na procura de sonsos que possam vir a disfarçar os relaxamentos mal disfarçados com os salgados. Nem os insucessos levam a fazer procuras em locais de êxitos garantidos.

Claro que há salgados que já foram à justiça. Alguns já fizeram por lá umas estadias fugazes como relâmpagos. Em contraste com sonsos que tiveram de ser expulsos por revelarem falta de sal nas análises.

Tal como vão as análises na saúde, também as análises da justiça, estão a encobrir muitas doenças. Os salgados vão-se salvando, enquanto os sonsos vão ficando internados. Até que morram.

 

 

 

1 comentário

Comentar post