Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

29 Nov, 2014

DO PIORIO

 

Não sou amigo de Sócrates mas sou inimigo dos poderes que atualmente nos são impostos. Julgo que esta ideia não é minha. Isso pouco importa, pois há tanta falta delas, que temos de apanhar as boas que andam no ar.

Apenas me desvio o mais que puder daquelas que são atiradas ao alvo, por puros inventores de loas venenosas, que pretendem fazer passar por bons serviços prestados ao país e aos portugueses. Disso temos nós muito.

Hoje, desde manhã cedo até altas horas da noite, é um daqueles dias em que o vespeiro não deixa de zumbir. E amanhã vai continuar. Depois, ainda há quem nos queira convencer de que tudo isto é normalidade.  

Mesmo quando gente do piorio, diz coisas do piorio. Não são factos, não são ideias nem opiniões. Coisas que são apenas e só, recalcamentos, cujas origens são difíceis de localizar. Mas, com um algum esforço chega-se lá.

Por muito execrável ou virtuoso que seja alguém, nada justifica que seja elevado e proclamado herói do éter, durante tantos dias e noites completas consecutivas. Com a repetição contínua das mesmas palavras.

Ninguém merece tal honra e tanta propaganda gratuita, seja em nome de uma queima desejada, ou de um ressurgimento indesejado. Nem mesmo do perigo que sempre existe, de o feitiço se virar contra o feiticeiro.

Tudo o que é premeditado prematuramente, torna-se num risco para quem se aventura nesses campos resvaladiços. À escala de cada risco, seria bom que se lembrassem os telhados de vidro ou o cuspir para o ar.    

É sempre bom sermos informados com rigor e verdade, bem como sermos aconselhados por quem tem aptidões para tal. É péssimo que, agora, só sejamos massacrados por imbecis que só sabem dizer imbecilidades.